Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
121 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57036 )
Cartas ( 21169)
Contos (12598)
Cordel (10077)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (8999)
Erótico (13395)
Frases (43634)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138231)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->O QUE FAZER DURANTE UM APAGÃO... -- 26/11/2009 - 18:20 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O QUE FAZER DURANTE UM APAGÃO...
(Por Germano Correia da Silva)


O crioulo Murundu é um sujeito de compleição física avantajada que mora nos arredores da vila Macambiras, próximo a Cafundó do Judas, que afirma com todas as letras que não tem medo de nada. Isso é o que ele fala, mas pelo que foi apurado através de comentários das más línguas local, ele morre de medo de ficar à noite em ambiente com ausência total de iluminação.

Ultimamente, depois de um apagão que ocorreu lá na sua vila, ele tem andado bastante nervoso e quase obcecado à procura de um culpado para ser responsabilizado pelo incidente. Há quem diga que ele anda cuspindo marimbondo à procura de alguém que assuma a culpa pelo problema ocorrido ou talvez quem possa servir de bode expiatório.

Numa dessas suas investidas visando à investigação do ocorrido ele foi parar no sítio do Seu Nicanor, seu amigo fiel, e durante o almoço ele não perdeu tempo e comentou que o tal apagão só aconteceu lá na sua vila:

- Seu Nicanor, eu nunca vi algo parecido antes. Todas as pessoas da minha comunidade ficaram às escuras, durante a noite toda, e até agora ninguém fez nada para descobrir quem foi o responsável pelo problema. Esse nosso povo está muito pacato. O que o senhor tem a me dizer a respeito?

Seu Nicanor que já conhece o temperamento explosivo desse seu amigo ficou calado o tempo todo e o crioulo Murundu acabou perdendo a calma:

- Seu Nicanor, fale alguma coisa. Esse seu silêncio não é normal. Pelo que vejo aqui onde o senhor mora não houve nenhum apagão e mesmo que tenha havido parece que o senhor não se importa de conviver com o apagão e nem com as suas conseqüências...

- Eu ligo para o apagão e para as conseqüências dele, mas isso não irá impedir que tenhamos a ocorrência de outro qualquer dia desses – disse o Seu Nicanor, com ar de pessoa muito preocupada.

Murundu estava crente que logo encontraria o culpado. A raiva dele era tão grande naquele momento que fez com que ele rangesse os dentes, estufasse o peito e dissesse em alto e bom som:

- Meu amigo Nicanor, se eu não encontrar o culpado pela última falta de iluminação ocorrida na minha vila e por essa que o senhor disse que estar por vir, eu vou morrer roxo de raiva!

- Murundu, você já está ficando roxo... Olha só a cor da sua pele! – disse Seu Nicanor fazendo uso de uma lanterna para enxergá-lo melhor.

- Eu sei meu amigo, eu vou ter que me controlar... Já é noite e, por incrível que nos possa parecer, estamos diante de outro apagão...

- Fiat lux! Fiat lux! Fiat lux!

De mãos postas, ambos os amigos imploraram aos céus e, como acontece num passe de mágica, o apagão foi embora...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui