Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
85 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57550 )
Cartas ( 21185)
Contos (12637)
Cordel (10186)
Crônicas (22292)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44326)
Humor (18630)
Infantil (3915)
Infanto Juvenil (2861)
Letras de Música (5480)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138276)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4994)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Escultura -- 15/09/2017 - 07:45 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Escultura








Madeira exposta ao canto esperando o artista terminar o café da manhã. Na mesa, partiu o pão e colocou uma porção de ovos fritos e levou à boca o prazer de alimentar ao corpo, corrompido pelos anos e defasado pela ação fisiológica do tempo. Ao terminar, sentiu a saciedade momentânea e levantando-se da mesa, olhou o material de trabalho, mas a inspiração não surgiu de imediato. Ficou por ali e resolveu logo caminhar à busca de ideia que acenasse mãos à obra. Acendeu o cigarro e foi percorrer pelas calçadas a passos tranquilos sem a angústia de retornar ao ambiente de trabalho. O sol começou a aumentar o calor típico de uma manhã de verão quando enfim resolveu retornar. Ao entrar, lá estava ela imóvel, sem vida largada ao chão à espera de nada, porque o nada era o que existia na vida daquele vegetal. O escultor iniciou os trabalhos de esculpi-la e várias lascas delas caiam ao chão ou sobre seus pés. Percebeu que aqueles material lhe seria útil para dar vida à moldura fixa numa parede com o retrato de um passado que o vestia e por ironia da ocasião, lá estava ele despindo o passado daquele outro ser. Ao ver a polpa do pedaço de caule, veio uma vontade de desaparecer daquele lugar por vergonha de transformar a arte da natureza em natureza da arte. E nunca mais voltou a tocá-la, sendo sua companheira silenciosa na arte de sua completa solidão.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui