Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
87 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12610)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Imparcialidade -- 14/09/2017 - 09:09 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Imparcialidade

Sobre o salto, nada é tão parcial quanto sentir que o que mais deseja são as fúrias das feras a se degladiarem no palco onde a encenação nada mais representa a não ser a parcialidade. De todas as damas, a imparcialidade foi colocada às avessas de um verso sombrio sobre as vozes que debatem o passado no presente para julgar o futuro incerto nas certezas de tantos cérebros inquisitórios na fogueira nada santa ou beatificada. A queimação germina das bandeiras a pregaram uma nova versão da reforma agrária que desagrega a terra além das fronteiras com donos ou donatários sem a presença de capitanias de uma nau armada de vergonhas ilustres. Sem um destino certo, avançam rumo ao navegar por uma esperança perdida pelas proas que lançam ao mar os tentáculos de um polvo perdido mas que não perde a visão por um futuro melhor. O preço por essa visão reflete na ousadia de ser guerreiro em águas nunca exploradas. O cidadão do mundo segue adiante diante das intepéries que tentam nocauteá-lo na vontade de seguir adiante no diante do sem fim de arranhões provocados pelas máculas do enfrentamento do eu no imaginários de tantos moinhos que lançam fragmentos aos diversos oceanos de dores e vergonhas. Níquel perdido ao mar, velas rasgadas ao vento, ao tempo no tempo perdido de um poeta que ousa render-se ao amor na dor do próximo passo rumo à eternidade.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui