Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
192 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58296 )
Cartas ( 21211)
Contos (12891)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13457)
Frases (45483)
Humor (18988)
Infantil (4215)
Infanto Juvenil (3309)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138804)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5292)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->CARTA ITINERANTE -- 19/12/2009 - 13:16 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:143896257028830000

CARTA ITINERANTE

Ah, meu amigo, como eu gostaria que você existisse!
Há tanto tempo preciso de você que já não entendo o alcance da minha necessidade. Sei que sinto demais a sua falta. Hoje eu pretendo conversar um pouco e vou tentar fazer com que você me compreenda.

Eu gosto da vida, de tudo que ela tem de belo, de todas as coisas que ela nos dá e nos faz felizes. Não gosto das coisas tristes, de tudo que nos torna magoados e sofridos.

A vida me deu um bem precioso: os sentidos. Este mesmo sentir consegue me deixar desesperada, às vezes. Uma alegria ou uma tristeza que preciso mostrar e não encontro você para perceber, para me acompanhar, para me ajudar a não me sentir tão só.
Sabe o que isso resulta? Uma dor mais profunda e uma satisfação reprimida.

Sabe, meu amigo, eu preciso muito de você para "não quebrar tanto a cara". Eu quero você para me orientar na aprendizagem das lições que a vida me dá. Eu me sentiria feliz se, um dia, pudesse colocar o meu rosto no seu ombro e chorar, sabendo que você me consolaria. Eu quero muito que você gargalhe comigo, sem subterfúgios.
Quanta coisa! Infelizmente esta é a verdade.

Os meus outros "amigos" não são iguais a você, e se não consigo ser a "boazinha" sempre, incomodo, chateio e canso a imagem e a homogeneidade do grupo.
E o Amor? Sabe, amigo, eu até esqueci o que significa amar. Preciso confiar mais nas pessoas sem que o receio venha em primeiro lugar.

Talvez eu esteja só exigindo e não tenha encontrado a forma correta de também doar.
Responde: você é capaz de ser meu amigo? É capaz de aturar o meu egoismo, as minhas contradições, a minha tagarelice e tentar me ajudar?

Se responder NÃO... Paciência, não será o único.
Se responder SIM... Serei feliz pois poderei dizer que tenho um amigo e este amigo me ensina a viver melhor porque nos conhecemos e nos aceitamos como somos.

Dalva da Trindade S. Oliveira
10.03.1977 - 23:30h

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 3Exibido 313 vezesFale com o autor