Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
123 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58267 )
Cartas ( 21211)
Contos (12885)
Cordel (10242)
Crônicas (22111)
Discursos (3152)
Ensaios - (9257)
Erótico (13456)
Frases (45457)
Humor (18978)
Infantil (4207)
Infanto Juvenil (3298)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138792)
Redação (3005)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5287)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->PEDACINHO DE PAPEL -- 16/12/2009 - 04:11 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131530993853236500
PEDACINHO DE PAPEL

Há muito não nos encontramos, não nos entendemos e não falamos nada um ao outro. Estou sentindo falta do nosso convívio, antes tão assíduo, hoje quase inexistente.

Nunca mais falei pra você das minhas alegrias, das minhas tristezas, dos meus desejos, enfim, da minha vida.

Logo você, que sempre soube me ouvir, eu abandonei.

Também você não diz nada! Não grita, não briga, não tenta me contradizer. Ouve, cala, sente a aspereza ou delicadeza dos meus sentimentos através das minhas mãos e, quando muito, ao olhar pra você e tentar sentir a reação do que eu disse, ouço um eco confirmando o que contei.

Às vezes não é muito nítido o eco do que falei; outras, basta ler em você para perceber que captou tudo que eu queria que entendesse.

Quando me apresentaram a você e falaram das suas qualidades eu não sabia valorizá-las.
O tempo foi passando e fui sempre me apegando a você.
Hoje, mesmo que não nos encontremos, nos momentos de confidência, com a mesma frequência de há alguns anos, de maneira formal continuamos um ao lado do outro.

Por tudo isto sou grata às pessoas que nos apresentaram, e a você por não ter se afastado de mim.

Eu gosto de você muito, mesmo, e não quero que se afaste das minhas ilusões, dos meus amores, dos meus sucessos e dos meus fracassos.
Continue comigo, sim? Por favor!

Agora estamos juntinhos e estou feliz.
Ajuda-me a não me afastar tanto de você!
É gostoso poder falar livremente sobre tudo que sinto e ver que nos entendemos.
Obrigada. Você é um amor!

Dalva da Trindade S. Oliveira
08.08.1976 - 21h
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 3Exibido 411 vezesFale com o autor