Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
93 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57500 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Acorda, povo! -- 21/03/2017 - 09:06 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
É de uma decadência a descer ladeira abaixo sem destino certo em que tenta-se a todo e qualquer custo, manchar a própria imagem a ter que proporcionar o que é de direto ao ganha dor do pão de cada dia. Num capitalismo mais que selvagem, ou seja americanalhizado, vive-se um suicídio coletivo da economia induzida voluntariamente sobre a maioria esmagadora. O trabalho nunca foi tão escravizado como agora, só que sutilmente através de leis, decretos e REFORMAS regulamentadoras na irregularidade diplomata. Espantosa a capacidade de maquiagem em tudo quanto é de fato e que existe jurassicamente. Envolto de notícias peculiares, o povo aguarda o desfecho final com o tiro de misericórdia suicida dado ao desempenho no comércio internacional de carcaças mortas para favorecer a surdina escravização dos trabalhadores a manter os privilégios de uma minoria.
Acorda, povo!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui