Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
236 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58158 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22095)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18939)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3235)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138721)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->UM IDIOMA COMESTÍVEL -- 08/08/2009 - 21:52 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
UM IDIOMA COMESTÍVEL
(Por Germano Correia da Silva)


Três jovens conversavam de forma descontraída num barzinho e ali tratavam de vários assuntos. Repentinamente, uma delas que era poliglota decide mudar o rumo da conversa e envereda pelo campo do aprendizado e emprego de vários idiomas.

- Menina, você não sabe da maior novidade. Recebi uma proposta de uma editora nacional para fazer traduções de alguns livros do seu acervo para outros idiomas e isso é realmente muito prazeroso para mim.

- Então, menina, estou vendo que você é uma pessoa diferenciada. Diga-me, como foi que você conseguiu aprender esses outros idiomas e quantos deles você já conhece? – perguntou aquela jovem que já possuía conhecimento pleno de alguns.

Um pouco envaidecida, ante o questionamento de sua colega também poliglota, ela disse dominar plenamente oito idiomas diferentes.

A terceira jovem, que até então só escutava as duas primeiras, resolveu participar da conversa de forma efetiva:

- O que vem a ser esse tal de idioma que vocês duas tanto falam?

- Eu não acredito que você não sabe o que é idioma... Idioma é o mesmo que língua, minha querida – completou rindo a mais introvertida delas.

Aquele bate-papo prosseguiu de forma acalorada por mais alguns minutos, e por incrível que pareça, as duas jovens cultas continuavam tratando do mesmo assunto.

A terceira garota que era uma pessoa leiga no assunto, sem entender patavina dos tais idiomas que as outras diziam gostar, decide fazer uma confissão:

- Queridas, vocês nem imaginam... Todas as vezes que eu como idioma de vaca com batata eu me lambuzo toda!


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 613 vezesFale com o autor