Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
92 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57535 )
Cartas ( 21185)
Contos (12631)
Cordel (10185)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44315)
Humor (18629)
Infantil (3912)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138263)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4990)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O silencio -- 27/02/2017 - 09:37 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O Silêncio...

Leva-me, levemente ao exílio nos corredores do meu cérebro na revolução dos pensares. Consola corno, meu estimado amigo radiozinho,que toca o frevo rasgado na rua. Os trombones anunciam a festa profana do instante polvo a cada fantasia esborrando pelo ladrão gente, alegrias do desabafo humano na dor condicionada por um sistema capitalista americanalhizado que industrializa a festa popular, dividindo o mundo.
Silêncios meu, ouvindo as letras das belas canções dos frevos de outrora e Pernambuco nos trilhos da cultura, meus olhos invernam, são grades do meu presídio, promovido pela insensibilidade partida do meu eu nas curvas das minhas letras garrincho, dibles para sobreviver. O silêncio carrega as baterias para esbaldar, se saúde tiver no próximo carnaval, ninguém entenderá a quebra do silêncio pois o entender muitos desejam, mas entendem no desejo do entendedor.
O silêncio me obriga a silenciar e timido fico aguardando o próximo carnaval.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui