Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
137 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57014 )
Cartas ( 21168)
Contos (12608)
Cordel (10074)
Crônicas (22188)
Discursos (3134)
Ensaios - (8996)
Erótico (13393)
Frases (43608)
Humor (18448)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138217)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->ADEQUANDO UMA VELHA RECEITA -- 23/07/2009 - 23:21 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


ADEQUANDO UMA VELHA RECEITA
 (Por Gemano Correia da Silva)


A campanha preventiva implementada pelo governo brasileiro visando ao combate da ingestão de bebida alcoólica por parte dos motoristas que não conseguem abster-se dela quando estão ao volante de um veículo está dando o que falar lá na comunidade Cafundós do Judas.

Enquanto os órgãos fiscalizadores das grandes e médias cidades se valem dos recursos do bafômetro, (um aparelho analisador do ar exalado dos pulmões de quem consumiu a bebida e que serve para determinar o grau de concentração de álcool no organismo do indivíduo abordado), lá em Cafundós do Judas não há nada disso.

Dia desses, o agricultor Jô Formigão após sair de uma festa entre amigos estava ao volante do seu carro e ao passar numa dessas barreiras policiais montadas para fiscalizar motoristas infratores, foi abordado por um policial que após verificar toda a documentação de praxe, insinuou que o motorista estava alcoolizado, dizendo:

- Sua voz está meio embargada... Seus olhos estão meio caídos... A propósito, quantas cervejas geladas o senhor bebeu hoje?

Jô Formigão ficou possesso com aquela acusação descabida feita por daquele policial e para não ficar em desvantagem retrucou:

- Seu policial eu não bebi nada de álcool hoje, muito menos cervejas. Eu tomei apenas algumas latas de guaraná bem geladas e agora estou indo para minha casa tomar um chá quente para aliviar minha garganta.

O policial riu um pouco e em tom de ironia deu o troco, respondendo em seguida:

- Está liberado senhor, pode ir embora. Eu sugiro que em chegando lá na sua casa tome um chá de boldo, bem quente. Isso irá lhe fazer muito bem.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 15Exibido 504 vezesFale com o autor