Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
96 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A calunga macumbeira -- 14/11/2016 - 09:37 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A calunga macumbeira

Dia de todos os santos, em fevereiro, pleno carnaval, que a calunga Wilserlandia estava num faniquito danado pra descer as ladeiras no Pilar olindense. Logo pela manhã, os batuques de maracatu do pai Edu já anunciavam a chegada de Beijinho de Iansã que resolveu sair do mar da sereia para pular o carnaval na folia Caetés. O ziriguidum era tanto, que a Wilserlandia resolveu pular ao chão e começou a dançar em cima do despacho de Exu. Esse seria o momento ideal de rogar aos babalorixás que cuidassem dos despachos que a própria calunga preparara. Dentre os despachos, estavam Família Cunhada, a menina de olhar 241, o Raizinho da Muricá, as tripas de fome e tudo o mais que representasse o sofrimento do cidadão de diversas crenças. A calunga dançou e foi à encruzilhada invocar a presença de Oxum para levar todas as mazelas apimentadas para o destino desconhecido.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui