Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
10 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57504 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10177)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44276)
Humor (18618)
Infantil (3902)
Infanto Juvenil (2848)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A queda de braço na queda de muitas bastilhas -- 12/11/2016 - 16:56 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A queda de braço na queda de muitas Bastilhas

A bastilha era uma fortaleza que servia de prisão aos intelectuais que se opusessem ao regime absolutista, onde o rei exercia o poder sem nenhuma interferência tendo o apoio da classe burguesa. Ela representa um processo de quebra de braço entre a minoria dominante e favorecida e o povo, maioria desfavorecida. Mas o que me leva a refletir a respeito do episódio da queda da Bastilha é que esse acontecimento me encaminhou à uma analogia em relação aos regimes totalitários que existiram e que lamentavelmente ainda existem em algumas nações. O absolutismo com o passar do tempo, adquiriu diversas aparências além da figura do rei, teve o controle da igreja e nas fases mais recentes, a figura militar representou muito bem a forma mais próxima ao regime em questão. Observando criteriosamente, a história se repete em algum lugar embora diluída e temos ultimamente presenciado a figura jurídica como fator que determina o curso da história. É quando me recordo da figura mitológica jurídica a Deusa Têmis que de olhos vendados dá-me a conotação de que ela recusa a ver o retrocesso de uma ciência que insiste em retirar o lenço de seu rosto para a fazê-la submeter-se às vontades absolutas, driblando-a sem o receio da poderosa fúria dela, a TÊMIS.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui