Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
105 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57492 )
Cartas ( 21184)
Contos (12620)
Cordel (10174)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44271)
Humor (18617)
Infantil (3899)
Infanto Juvenil (2844)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138239)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4979)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A lista -- 12/11/2016 - 16:05 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Era um dia luminoso na floresta. A chuva passara deixando um rastro cheiro de terra molhada. Os animais saiam lentamente dos seus esconderijos. O lobo, a onça, a cobra, o jabuti, o tamanduá. Todos. As aves começavam a alçar vôos longínquos, entre elas, o falcão, a gaivota, enquanto a coruja com seus olhos espertos, apenas observava.
O dia estava apenas começando a desenhar, quando o senhor falcão de vôos precisos aterriza ao solo. Convoca toda a floresta para uma breve reunião no qual seria discutido o preparativo para a festa bidiônica, a ser celebrada por nada mais nada menos, o padre Bidião.
E solenemente, falou:
" Bem pessoal, como vocês sabem estamos perto do inverno, e antes que o frio comprometa as nossas atividades, o que vocês acham de organizar uma celebração à moda bidiônica?"
Por um breve momento, só se ouvia o barulho do silêncio que era feito de muita macacada a pular de galho em galho.
Eis que o jabuti colocando sua cabeça pra fora, indaga:
" Quem é esse que você fala? Nunca o vi. E será que ele concordaria em participar dessa festa conosco? Aqui é tudo tão bagunçado pra se organizar."
O falcão respondeu:
" Tem razão! Mas devemos nos unir. Essa confusão toda deve ter um ponto comum: a nossa vontade."
A macaca Luzia, ficou logo eufórica e toda saltitante bancava todos os galhos que visse pela frente. A onça desconfiada, olhava sorrateiramente. A arara gritava toda alegre, abrindo suas asas e levemente ensaiava um passo em terra firme. O papagaio Cupertino já cantarolava uma música:
"Cupertino se eu fosse como tu, eu tirava tu, eu tirava tu, eu tirava tu, do buraco, do buraco do tatu."
A gaivota Lalá vendo o agito na área, vai baixando o vôo para prestar atenção ao que estava sendo discutido. E presenciava, observando o comportamento dos demais. Sabia que na floresta havia muita confusão e não se entendiam muito bem. Haviam muitas divergências de ideias já que cada um queria ser o anfitrião da festa.
A macaca Luzia adorava organizar, sem entretanto meter a mão na massa. Coordenar era com ela. Mas a onça só se preocupava em satisfazer sua enorme vontade de devorar tudo o que visse pela frente. Quanto mais Cupertino, Luzia e Lalá passavam à sua frente, mais fome lhe dava.
Os dias foram passando e o alvoroço era grande por parte dos organizadores da celebração. O falcão percebeu que o que havia para a festa era insuficiente e resolveu fazer um empréstimo de quitutes junto a macacada que tinha uma plantação de bananas. Chegando ao banco macacal, viu que os macacos poderiam emprestar com a garantia de cada palma de banana pelo seu dobro. Fez uma breve lista de convidados:

A Jabuti Carlinda
A onça Vespasiana
A gaivota Lalá
A macaca Luzia
O papagaio Cupertino



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui