Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57535 )
Cartas ( 21185)
Contos (12631)
Cordel (10185)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44315)
Humor (18629)
Infantil (3912)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138263)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4990)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Atitude -- 12/11/2016 - 15:56 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Atitude

Chegou o dia em que teria que bater asas. As penas ainda eram pequenas, muito esforço exigiria naquele momento fulgaz e decisivo à primeira aventura. Teria que morar só e mais uma vez, o cordão seria esticado deixando uma linha tênue que não se rompera. Tudo era novo: lugar, ambiente, pessoas. Mas a linha não, ela era a garantia do retorno. Aquietei-me e fui trabalhar. Barulho de máquinas, equipamentos ensurdecedor. Teria que me proteger e voltar ao mundo do silêncio passado por entre os equipamentos em busca de possíveis falhas: pontos críticos. Teria que monitorá-los. Os pontos críticos pertinentes de cada fase da produção eram numerosos, mas controláveis. Ruídos estranhos, laboratório que houve? Algo errado, volta, corre, pare a máquina. Recall. Tensão. De onde viria o problema se todos os pontos estavam controlados? Bomba de resfriamento sem funcionar. Alguém esquecera de ligar. Por que? Stress, cansaço, sabotagem? Resposta nunca encontrada. Retorno, refazer, consolidar, pensar, agir e seguir e a linha lá estava: intacta, firme.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui