Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57535 )
Cartas ( 21185)
Contos (12631)
Cordel (10185)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44315)
Humor (18629)
Infantil (3912)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138263)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4990)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Casa -- 10/11/2016 - 15:35 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A minha casa... Fica em lugar nenhum. Minha casa, são as minhas recordações doces, amargas, tristes... Com sentimentos avessos, adversos, atropelados numa vida obstinada e determinada a nada. Respirações suspensas por dores imensuráveis e contornadas pelo nadar do nada para o infinito. Infinito no finito do que sou sem ter deixado de ter sido antes de ser. Vou e volto sem ter ido no vôo único com asas hibernadas e abertas sem ir de encontro ao vento que sopra e joga tudo leve ao ar mais leve que o eu infinito. Brinco vivendo e vivendo vôo no solo solado e hostil de águas paradas, cristalinas matando a minha sede carente de tudo que faz bem ao que é essencial e que não encontramos. Daí a carência.... Infinita, insondável que vive e sobrevive ao holocausto humano-universal.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui