Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
60 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O filho do carroceiro -- 10/11/2016 - 14:47 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O filho do carroceiro

Tinha uma profissão simples aos olhos soberbos que não flutuavam pela força gravitacional. Diariamente seguia na sua carroça a coletar o que para muitos não passava de refugo, espalhado pelas vias públicas, prejudicando o pedestre. A comida era complementada com a fonte energética da fotossíntese e a meninada adorava esse suplemento que alegrava a brincadeira de roda. O pai seguia entusiasmado com essa meninada de calção enquanto ao mesmo tempo imaginava um futuro brilhante ao seu rebento. Sabia que teria e muito a seguir com sua carroça para garantir a comida e o futuro dele. A barriga do pequeno mais lembrava uma roda gigante cheia de seres que se alimentavam do que nada tinha, pois comida era luxo. A comunidade vivia feliz no seu mundo de espetáculo em que a miserê era a rainha da festa. Mas o carroceiro seguia com sua carroça abarrotada de coisa sem valor para a maioria, mas que ele sabia muito bem pela sua mágica surreal, tirar dela o sustento. O menino como toda criança nutria um sonho, o de um dia ser doutor jurídico e retirar seu pai da vida de sacrifício solasol. Todo livro que o pai encontrava nos refugos que estavam nas vias públicas, o menino corria com a ansiedade natural inerente ao projeto ser que sonha com um futuro brilhante. Os anos seguiam e a verminose ia desaparecendo bem como os dentes iam tomando um novo posicionamento geográfico bucal devido ao zelo maternal, ainda que com parcos recursos. Mas o menino de calção que trabalhava brincando com o pai ia crescendo até que se tornou um jovem consciente de sua realidade original que corria e brincava empinando pipa na favela surreal de tanta realidade que estarrecia os olhos dos mais vaidosos que gozavam de uma situação mais agraciada. Esse jovem aumentava sempre sua garra e determinação quando chegado o momento, conseguiu aprovação em uma Faculdade de Direito. Seus pais encheram o peito de orgulho pela felicidade do filho. E o tempo foi apresentando oportunidades ao jovem advogado que soube aproveitá-las sem esmorecimento. Agora como Doutor Juiz, pode enfim oferecer o que de melhor haveria aos pais.
A determinação fez com que o jovem ajudasse a comunidade onde vivera, resgatando das ruas os meninos de calção, sem dentes e serelepes no qual um dia, ELE FORA.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui