Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Tonto estou aos olhos do observador. Sou um poeta nu. -- 07/11/2016 - 18:49 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tonto Tou aos olhos do observador, sou um poeta nú....

Nasci de uma graça paterna que minha mãe deu trela ao trolado dele. Não é porque fosse meu pai, mas ele era bonitão, elegante e boa conversa.
Minha mãe que nunca havia sequer conhecido o amor, sentiu atraída por este homem que era o mestre de deixar até as mais duronas de coração mole. Foi a partir daí que comecei a ser incomodado para deixar meu universo observatório do sossego e fui convocado para uma missão terrena. Vixe quando nasci, foram logo dizendo que eu era torto porque não era puro na pureza da linhagem. Ou seja, meu destino já estava traçado, devidamente definido sem a minha consulta prévia. Eu teria que ser uma busca ativa ambulante do eu, para tentar uma auto-definição e sossegar em paz.
Eu observava, mas havia muito mais observadores a minha volta tentando como eu, buscar uma caracterização do filho da mulher subtilmente chamada mulher da vida. Eita coisa antiga! Faz tempo que eu nem falava nesse termo!
De tanto ser definido e observado, caí no mundo do meu observatório e passei dei cambalhotas ao perceber que os outros me viam como eles de fato são. Foi uma alegria surreal, porque a partir desse dia, comecei a tirar onda com a cara dos observadores e críticos de plantão que passaram a ser objeto de um estudo revolucionário idealizado por minha mente que não mente nas ideias: " o grande circo humanoide ".
Todos caras pintadas a esconder o eu mais degenerado e andar de nariz e olhos pra cima, sequestrando o oxigênio da verdade subjetiva.
Pronto, e hoje me vejo à beira de um caminho infinitamente maravilhoso na concepção de quem me marginaliza.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui