Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
152 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58133 )
Cartas ( 21211)
Contos (12850)
Cordel (10239)
Crônicas (22080)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13451)
Frases (45273)
Humor (18933)
Infantil (4152)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138693)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Pomar 1 (*) -- 21/05/2007 - 10:46 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Pomar 1 (*)


Estimado Dr. X:

Lembrei hoje deste assunto. Do tempo em que eu era muito bobo, porque bobo ainda sou. A mensagem, encaminhada à alta autoridade, não teve resposta.

Assim me dirigi:

Prezado Fulano:

Primeiramente, muito grato por todo o apoio à atividade que desenvolvo a que chamo Pomar da Universidade, uma vez que, silenciosamente, outros construí no SBN e em algumas localidades em que morei.

Conversando com o Dr. F e queixando-lhe dos obstáculos que tenho encontrado ao longo desses 17 meses para manter o Pomar, sugeriu-me ele contratar um estagiário de Botânica ou disciplina compatível para acompanhar cientificamente esse trabalho.

Conveniente será que ele fique subordinado a nós, para que possamos sugerir, controlar, rever e pôr em exercício todos os itens que disserem respeito à perfeita execução desse projeto.

Isso não implica a dispensa dos serviços do jardineiro e de seus auxiliares, os quais terão de se reportar ao especialista e fazer somente o que ele recomende.

A contratação do estagiário se justifica:

a) o terreno é extremamente ruim (nem grama consegue sobreviver), ponho – com recursos próprios – adubos vários, o que têm feito algumas frutíferas prosperar (cito apenas as que já produziram: amora, figo, gabiroba, romã, mamão, pêssego, pitanga, romã, uvaia);

b) é necessário alguém de conhecimento específico, malgrado o esforço da equipe de jardinagem, para tratar mais cientificamente o pomar;

c) a pequena despesa que tiver com a aquisição de mudas, de adubos, pesticidas e pagamento do trabalhador, além de poder ser abatida na declaração de imposto de renda, representa investimento de retorno inquestionável;

c) os órgãos externos de fiscalização, quando virem esse pomar bem tratado e progressista, hão de prestigiá-lo, sem dúvida.

Nada estou pedindo nada para mim (nem nunca o fiz nesses mais de 50 anos de trabalho), até mesmo porque não desconheço que a vida útil se está indo inexoravelmente e que também as coisas não se pedem, conquistam-se. Não há sequer resquício de vaidade: só uso o meu nome quando tenho de fazer cheques para pagamento dos insumos utilizados no pomar, no qual plantei (e estão sobrevivendo) 133 árvores frutíferas distribuídas em 35 modalidades. Assim:

Abacate, abacaxi, acerola, abiu, ameixa, amora, banana, cacau, cajá-manga, caju, cagaita, camu-camu, canela, cereja, figo, gabiroba, goiaba, graviola, laranja, lechia, limão, maçã, mangaba, mamão, pêssego, pinha, pinhão, pitanga, romã, sapoti, serigüela, tamarindo, tangerina, e uvaia.

Lembro que a preservação do meio ambiente, meta do Governo Federal, também há de agradecer.

Desse modo, com o meu pedido de desculpas se não for conveniente, solicito a fineza de apreciar esta exposição.



Atenciosamente,

___________
(*) Brasília, DF, 16/11/2005.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 597 vezesFale com o autor