Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57367 )
Cartas ( 21181)
Contos (12598)
Cordel (10136)
Crônicas (22252)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44122)
Humor (18580)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2800)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138537)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4943)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->MPN-BIM (*) -- 28/06/2008 - 21:08 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
MPN-BIM (*)


Estimado Dr. Adriano:



Bom-dia! Queira receber os meus cumprimentos matinais!


Tenho trabalhado muito e às vezes me esquecido de compromissos com a literatura Perdoe-me ausência momentânea.



Mais uma vez preciso pedir-lhe favor especial. Ontem, recebi em minha casa  correspondência do supergentil Presidente Walter Argento, num envelope com letra primorosa (de artista mesmo, o qual mostrei, com alegria, aos meus familiares)  o Boletim Informativo Mensal/MPN, nº 247, de junho/2008, que traz, na 1ª página, o soneto Refúgio (**), que fiz há muito e com extremo sentimento.



Devo estar com algum débito para com o Movimento Poético Nacional. Prometo que, no fim de semana, vou procurar os recibos que tenho de algumas transferências e, com certeza, escaneá-los, mandar, por e-mail, e solicitar ao senhor que os entregue a ele. Com o carinho de sempre, farei qualquer complementação que houver pendente.



A todos os meus agradecimentos e votos de vida literária contínua e feliz!



Com a estima e o abraço do

Benedito


_______
(*) Brasília, DF, 27/06/2008. MPN-BIM = Movimento Poético Nacional-Boletim Informativo Mensal.

(***) Soneto Refúgio


Refúgio


Das coisas de que eu gosto nunca falo,
E tenho sonhos lindos que não digo
A ninguém. Não conheço o bom amigo
E ante os seres humanos só me calo.


Não temo a morte nem nenhum abalo,
Mas não vivo a buscar muito perigo.
Vejo, na face irosa do inimigo,
O ódio e mesmo assim tenho de encará-lo.


Sou calado, e isso é minha recompensa.
Escuto... Não converso vagamente
Como quem fala e não diz o que pensa.


A inveja apodera-se dessa gente
Que nos ouve -- com raiva e sem presença --,
Que a entendo bronca, fria e decadente.


__________
(***) Brasília, DF, 16/06/1968.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 514 vezesFale com o autor