Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
226 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58157 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22094)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18938)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3234)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138720)
Redação (2996)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->CHAGAS VAL - POETA FALA A POETA -- 19/03/2008 - 08:37 (Francisco Miguel de Moura) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CHAGAS VAL - POETA FALA A POETA
Carta ao poeta Francisco Miguel de Moura

Caríssimo Poeta:

Ainda sob o impacto dos rutilantes versos da sua ANTOLOGIA, escrevo-lhe com a emoção de quem percorreu caminhos de luz e quase se perdeu nos meandros das palavras e nas vertiginosas curvas das estrofes, notadamente nos sonetos, que são o que de melhor existe no livro, embora me encantem sobremaneira os poemas curtos porque são a síntese de sua singular poética e a marca registrada da grande poesia de Francisco Miguel de Moura.
A poesia nos dá alento para viver. E você, por causa dela, viverá muito e escreverá novos livros plenos de emoção e de beleza, que nos encantarão a todos que o admiramos e o amamos exatamente pelos candentes poemas que urde em sua magnífica oficina, onde as palavras têm cintilações de lapidados diamantes, onde a cadência, o ritmo dos versos nos embalam. E eles nos encantam como inusitadas sinfonias.
As rosas estão intactas em suas pétalas ainda fechadas e nós queremos dissecá-las no afã de cultivar nosso jardim, e isso é o ofício dos poetas: buscar a luz e o perfume das flores para amenizar saudades e dores de um paraíso para sempre perdido, embora que, anelantes, o busquemos como Proust, e nos detenhamos diante de uma xícara de chá para nos perdermos “em busca do tempo perdido”, onde só a memória e as palavras hão de recuperá-los.
Não saí ainda da galáxia de Gutenberg, e a internet para mim é inacessível como a quadratura do círculo. É como se tateasse nas trevas querendo decifrar o enigma da Esfinge, isto porque a tecnologia moderna me é estranha e indecifrável com seus celulares e computadores. Acho, poeta, que obsoleto como sou, eu deveria ter nascido antes da Revolução Industrial, pois como Proust até o telefone me incomoda.
Entretanto, o que interessa mesmo é a poesia, a palavra dessa lavoura constante como a aurora. Ela nos desperta com pássaros e canções, num abismo de luz, a incendiar os canaviais da manhã. E, quando despertamos, espantados, vemos que os sonhos são apenas sonhos e a realidade nos dói como punhais, e a luz explode ante nossos olhos atônitos ou quase cegos.
Sempre que puder, escreva-me. Suas palavras são um estímulo. Apesar de praticamente não nos conhecermos, sinto uma grande admiração e estima por sua poesia, extensiva à sua pessoa.
Com o abraço do
CHAGAS VAL

São Luís (MA), 15/02/2008

_____________
* Francisco das CHAGAS VAL, poeta brasileiro, nasceu gente/menino no Piauí; mas como poeta é bem maranhense e dono de um estilo tão agradável quanto leve e pr
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui