Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57493 )
Cartas ( 21184)
Contos (12620)
Cordel (10174)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44271)
Humor (18617)
Infantil (3899)
Infanto Juvenil (2845)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138240)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4979)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Empréstimo (*) -- 02/03/2008 - 15:15 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Empréstimo (*)


A todos:


Há algum tempo o autor das linhas abaixo é contatado pela ex-mulher, que lhe pede empréstimo; ressalto que ela é funcionária pública e percebe bom salário.


Meu confrade, pelo que consta, a socorre; contudo, escreve-lhe a mensagem a seguir, que externa sentimento profundo e desabafo em face de procedimentos bancários ora impostos ao “rico” povo, povão e povinho brasileiros.


Perdoem-me omitir os nomes, tanto do remetente e quanto da destinatária em respeito à privacidade de ambos.


Obrigado, Fulano de Tal


“Querida:


Os bancos são instituições especializadas em lucro financeiro.


Essas organizações nunca perdem. Estipulam preços e condições contratuais pelo dinheiro que vendem.


Quando alguém não paga em dia (embora muitos tenham pago por esse que não o conseguiu fazer), são capazes de ir às últimas conseqüências para receber tudo com multas, juros e correção monetária, dando, pois, o tiro de misericórdia naquele que não se agüenta mais.


Tais entidades montam esquemas fantásticos, tais como: o chamado cheque especial, o cartão de crédito, o empréstimo consignado (este sem nenhum risco de não pagamento) e induzem você a pensar que esse dinheiro é seu e que deve utilizá-lo com vistas em mais tranqüilidade, melhor qualidade de vida, muita felicidade, demonstração de "status" e poder.


Depois do engodo, escravizam-na e colocam para trabalhar para "eternamente", garantindo-lhes os maiores lucros em relação a outras organizações.


Devemos, assim, utilizar os bancos tão-somente para a circulação do nosso suado dinheiro, uma vez que somos obrigados a fazê-lo, não somente porque recebemos por meio deles, mas, também, e, principalmente, por questão de segurança, serviços esses que remuneramos muito bem.


Ainda que, por curto espaço de tempo, apliquemos nossos eventuais excedentes, pelos quais nos pagam remuneração pequena, normalmente pouco acima da inflação (melhor que nada, porque preferem o dinheiro parado na conta, a que chamam "depósitos à vista" e que embora têm de dividir com o Banco Central, ninguém paga nada por ele).


Caso possamos dispor de dinheiro por mais tempo, temos, ainda, de procurar outros tipos de investimentos mais rentáveis e mais justos, mesmo que impliquem maior risco.


Uma sugestão: gaste somente aquilo que já ganhou, recebeu, e após o pagamento das chamadas despesas obrigatórias, aí, sim, terá mais liberdade e tranqüilidade.”


Por fim, espelhe-se nestas linhas:


Recomendações (**)


"Não:

a) criarás a prosperidade se desestimulares a poupança;

b) fortalecerá os fracos se enfraqueceres os fortes;

c) ajudarás o assalariado se arruinares aqueles que o pagam;

d) estimularás a fraternidade humana se alimentares o ódio de classes;

e) ajudarás os pobres se eliminares os ricos;

f) poderás criar estabilidade permanente baseada em dineiro emprestado;

g) evitarás dificuldades se gastares mais do que ganhas;

h) fortalecerás a dignidade e o ânimo se subtraires ao homem a iniciativa e a liberdade;

i) poderás ajudar os homens de maneira permanente se fizeres por eles aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios."


______
(**) Abraham Lincoln.


E, também, nestas:



a) poupança 1: (***)



Quem gasta tudo o que ganha sem se preocupar com a economia pode comprometer o futuro.



b) poupança 2: (***)



Quem consome tudo o que ganha e não economisa para o futuro pode arrepender-se mais tarde.


_________
(*) Brasília, DF, 02/03/2008. Mensagem recebida do amigo Marcos Noronha.
(**) Site Usina de Letras, Benedito Pereira da Costa, Cartas, Recomendações.
(***) Site Usina de Letras, Benedito Pereira da Costa, Frases, Poupança 1 e Poupança 2.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 648 vezesFale com o autor