Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57100 )
Cartas ( 21170)
Contos (12597)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13402)
Frases (43747)
Humor (18482)
Infantil (3789)
Infanto Juvenil (2713)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138311)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4889)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Teses_Monologos-->OS APERFEIÇOAMENTOS DIVINOS DO HOMEM -- 27/03/2005 - 13:05 (ANTICRISTO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

"Os fósseis que os cientistas apresentam como ancestrais humanos não eram humanos, mas espécies extintas de símios", é a explicação de alguns mestres religiosos. Isso dá a entender que o criador, em vez de fazer tudo em seis dias, fez vários experimentos até chegar à humanidade de hoje e ainda irá aperfeiçoá-la mais. Após explorar bastante algumas falhas de interpretações dos fósseis ao longo dos últimos séculos, um mestre religioso em programa de televisão deu a conclusão final: toda aquela seqüência de fósseis apresentados pela arqueologia como a evolução humana não é humana, mas se constitui de espécies extintas de símios. Diante disso, é de se pensar: Deus não fez tudo nos seis dias da criação, mas, no sexto dia, fez a macacada que povoa a Terra do Oriente ao Ocidente e deixou o homem para depois. Após milhões de anos, talvez tendo sido criticado em relação aos seus representantes, Yavé deve ter criado uma espécie mais condizente com sua representação, aquela que os cientistas chamam de australopithecus africanus. Passados mais longos milênios, provavelmente continuando a receber críticas, Yavé acabou com o australopithecus africanus e criou o homo habilis, que também não passava de uma espécie um pouco mais aperfeiçoada de macaco, que futuramente também seria eliminada. Muito tempo depois, ainda não satisfeito com o homo habilis, acabou com ele e criou um novo macaco, aquele que os cientistas convencionaram chamar homo herectus. Decorrido mais um longo tempo, achou que o homo herectus não estava bom, deu fim nele também e criou um mais aperfeiçoado, aquele a que os cientistas chamaram de homo sapiens. Mas o homo sapiens não era tão sapiens quanto desejava o criador, e ele resolver liquidá-lo também. Aí ele deve ter pensado: não vou fazer mais macaco, mas um homem de verdade. Assim, fez esse que está hoje na Terra, de cuja espécie eu e você somos exemplares, com também os próprios cientistas que nos chamam de homo sapiens sapiens. Essas extintas espécies que foram aqui apresentadas parece que não são todas. De vez em quando, os arqueólogos encontram alguns outros intermediários, o que não nos permite dizer com precisão quantas espécies o criador destruiu ao longo desse milhões de anos. Mas acho que o criador não parou por aí. Como hoje o homo sapiens, muito homo, muitas vezes ainda se comporta de um modo não muito sapiens, mas um tanto stultus, acho que ele ainda irá criar um outro, assim, como se diz, bem mais sapiens, e provavelmente muito mais homo. Ver MAIS
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui