Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
172 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58139 )
Cartas ( 21211)
Contos (12855)
Cordel (10239)
Crônicas (22080)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13453)
Frases (45289)
Humor (18935)
Infantil (4156)
Infanto Juvenil (3232)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138700)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5249)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->CARTA DEPOIMENTO: NÃO ME ARREPENDO DAS COISAS QUE EU DISSE.. -- 12/01/2008 - 10:57 (getulio silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
NÃO ME ARREPENDO DAS COISAS QUE EU DISSE:



Chega um tempo em nossas vidas, que somos obrigados a fazer um balanço do que foi bom ou ruim na trajetória vivida. E aí, chegamos à conclusão que, deveríamos ter falado mais, cantado mais, amado mais... E consequentemente, vivido mais!
Eu, particularmente, não me arrependo de nada. O meu superávit nesse balanço em andamento conclui-se que acertei mais do que errei, sem pretensão é claro! Não levei desaforos pra casa, falei tudo que quis nas horas certas e algumas vezes em horas incertas, mas falei tudo!Uma coisa, eu tenho a certeza, não fui desonesto com ninguém, pois fui para casa e dormi como um anjo. Fiquei em silêncio sim,quando precisou,mas não deixei ser atropelado pelo opressor. Se chorar ou sorrir, foi necessário naquele momento, fiz os dois com maestria, não segurei minhas lágrimas e tão pouco deixei preso o meu sorriso. E hoje, trago em meu rosto os sulcos dos risos e choros de outrora. Minhas rugas não são cicatrizes e sim, estradas percorridas!
Quando enfrentei os prepotentes, não sucumbi diante da arrogância deles, falei tudo que eu sentia e não deixei nada preso na garganta e então, fui embora com a alma lavada... E eles ficaram lá, com seus argumentos de ditadores.
Quando me equivoquei em relação a algumas coisas, ouvi em silêncio que eu estava errado e humildemente procurei reparar os danos, nada que tenham prejudicado sobremaneira a vida de alguém.
Aprendi com o tempo, que os conceitos mudam e que nada é definitivamente para sempre. E aprendi também, que nunca é muito tempo e então, estou aberto às mudanças.
Outrora, eu disse nunca a algumas coisas e hoje, me vejo praticando-as com regozijo e aí, percebo a burrice de afirmativas e compromissos assumidos socialmente. Mudar de idéia é ser coerente com o agora.
Nos momentos de silêncio que fiz, os mais importantes foram quando nasceram os meus filhos, pois eu estava rezando e pedindo a Deus que lhes dessem saúde, paz e, sobretudo um bom caráter! E foram momentos preciosos em minha vida, Deus ouviu as minhas Preces.
Quando acuado, virei bicho e briguei, urrei, lutei... E não tombei como um soldado vencido e a conseqüência disso, é que estou vivo e muito vivo! Não acredito no silêncio dos inocentes, a sobrevivência clama por atitudes e quem cala consente!
Hoje, na minha idade posso tudo... A calça social sisuda foi trocada pelos jeans e os sapatos pelos tênis, enfim, só a alma continua a mesma de ontem! E quando me perguntarem se sou feliz, eu direi: Sou a busca constante dessa tão sonhada felicidade!



Getúlio Silva 12/11/ 2007.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui