Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
199 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58126 )
Cartas ( 21211)
Contos (12849)
Cordel (10239)
Crônicas (22076)
Discursos (3148)
Ensaios - (9225)
Erótico (13451)
Frases (45266)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138691)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5246)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Compreensão (*) -- 13/12/2007 - 09:50 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Compreensão (*)


Prezado Benedito:


Esse é um exemplo dos grandes mal-entendidos da comunicação. Como já dizia o saudoso Abelardo Barbosa, o nosso Chacrinha, “quem não se comunica se estrumbica”.


Muitas vezes as falhas estão na forma como colocamos as questões ou como as entendemos. Isso é uma das maiores causas de erros em provas: os estudantes não lêem direito, interpretam errado a pergunta e não sabem responder certo. Algumas questões também são mal formuladas e induzem a erros. Normalmente essas últimas são anuladas.


O “Barão” estava certo, pois, conhecedor da língua pátria, dotado de inteligência aguçada e gozador nato, não poderia perder a oportunidade de dar uma lição no professor. Se este fosse menos arrogante veria a situação de forma pedagógica, uma oportunidade de aprender e de se aprimorar.


Às vezes damos ordens de forma equivocada ou incompleta e esperamos que o nosso ouvinte entenda além do que transmitimos. Esperamos a perfeição alheia, mas pecamos na simples transmissão da mensagem.


Lembra-se daquela passagem do Pequeno Príncipe, em que o rei de um planetóide fala com o menino acerca de sua soberania sobre seus súditos? Mas, sábio, ele diz: “devo ter cuidado, pois se eu pedir a um dos meus súditos para se transformar em uma águia e ele não o fizer de quem é a culpa: dele, que me desobedeceu, ou minha, que dei uma ordem impossível de ser cumprida?”


É, meu caro, como diriam os ingleses it’s not mole não!


Cordialmente,

Jorge


________
(*) Considerações do meu amigo Jorge, engenheiro, intelectual e apreciador da língua pátria.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 736 vezesFale com o autor