Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138241)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Censura e liberdade -- 16/09/2003 - 12:18 (Roberto Correa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.



Em fins do século passado,articulista de grande matutino da capital escreveu, sobre a volta da censura. Temia o retorno dela, principalmente em face do erotismo e pornografia que algumas emissoras de tevê estavam lançando no ar, em desesperada concorrência para conseguir o interesse de maior número de telespectadores. Dizemos nós, já neste século XXI, que a programação de tais emissoras realmente preocupa, porque a difusão da imoralidade é a maneira de corromper a sociedade, principalmente os jovens em formação e as inocentes crianças, tesouros da nacionalidade.

Não se diga que a modernidade ou a liberdade exigem ou não impedem essas programações. Precisamos explicar para os que não conhecem e relembrar para os que sabem, o exato conceito de liberdade. Para tanto, vamos nos socorrer do ensinamento de um dos maiores filósofos americanos, Fulton J. Sheen: “A liberdade não é direito de fazer o que me pareça, nem é a necessidade de fazer o que quer que o ditador me imponha: ao contrário a liberdade é o direito de fazer o que eu devo”. Essa palavra “dever” diz ele, significa que o homem é livre. “O fogo é necessariamente quente, o gelo é necessariamente frio, mais o homem deve ser bom”. Liberdade não é fazer tudo que se queira. Exemplifica: pode-se roubar o vizinho, bater na mulher dele, matar os animais que possuo etc., mas não se deve fazer isso, porque deve implicar moralidade, direitos e obrigações. A mais alta forma de liberdade ainda seguindo a doutrinação do eminente mestre é “fazer o que devemos”, pois nos conduz ao perfeito desenvolvimento da nossa personalidade. Fazer o que queremos (coisas más ou proibidas) é a degradação da espécie, a renúncia à racionalidade humana.

A Constituição aboliu toda e qualquer forma de censura. Mas, no que diz respeito a programas de televisão etc. (Artigos 220 e 221), deixa para a lei regulamentar quanto à idade e horários, a conveniência da exibição de filmes e novelas, violadores ou ofensivos `moral e aos bons costumes, rotulados em linguagem moderna como “valores éticos e sociais da pessoa e da família”. Os senhores legisladores, tão omissos nas obrigações para que foram investidos naquele dia inspirado, do trabalho consciente, induvidosamente saberão acolher o anseio dos seus representados e, na regulamentação aguardada não se olvidarão, por certo, de proibir a imoralidade, inclusive as “chamadas” obscenas e deseducativas em qualquer horário. Liberdade fora da lei não existe: se desobedeço às leis de trânsito posso perder a liberdade de guiar; se desconsidero a lei da gravidade, inclusive de viver. Saibamos encontrar a plena liberdade com a incansável prática de ações e nobres que nos elevem e nos dignifiquem como pessoa humana.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui