Usina de Letras
Usina de Letras
52 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62422 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22547)

Discursos (3240)

Ensaios - (10460)

Erótico (13578)

Frases (50823)

Humor (20078)

Infantil (5493)

Infanto Juvenil (4817)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140878)

Redação (3322)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6241)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Erotico-->A MORTE DO AMOR! -- 18/05/2011 - 17:33 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131420485261930700

A MORTE DO AMOR!
ANA ZÉLIA

Quando meu pensamento se for a ti,
não se preocupe, o matarei.

Quando minh`alma sedenta de amor,
embriagar-se de paixão, saudosa de ti,
não se preocupe, a matarei...

Quando meu corpo de mulher desejar fazer amor, te sentir, nem se preocupe, o matarei...

Quando um dia voltar a te ver ou meus olhos
encontrarem os seus, não se preocupe,
o matarei...

A vida é assim, somos famintos de ternura,
carentes de atenção.

Um Ultimato: Ou nos amamos ou nos destruimos.
O homem não pode viver só, pode morrer de fome,
sede, mas não de
A M O R.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Nota da autora- A um sonho que passou ao acordar percebi que não valia a pena.
Deus é bom.
Este coração bandido de cachorro vira lata se apaixonou por um ser que mais parecia Deus.
Fiz promessas, frequentei terreiros, pedi a Deus e ao Diabo um ser tão pequeno.
O esqueci.

Certo dia em outra cidade me deparo
com o sujeito em uma loja e passo fingindo não vê-lo.

Ele me faz parar e diz: Como você mudou, ontem dizia que me amava, hoje finge não me ver.

Respondi: Ontem eu nem sabia quem era, estava louca de amor, hoje, percebo que não valia a pena.

Você é muito pequeno. E lhe dei as costas.

Coisas da vida. Aconteceu comigo.

Parte integrante do livro Mulher! Conquista Fácil! Poesias e crônicas, editado pela UFAM, em 1996,

hoje, 18.05.2011 o publico na usina. Ana Zélia

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui