Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138240)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Verso e Reverso -- 10/07/2002 - 22:21 (Georgina Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. .

-Que cavalice, Lurdinha,
isso é jeito de tratá?
gritou na frente de tudo,
todo mundo a me espiá.
Fica sabendo a senhora,
do alto do seu topete,
que a vergonheira danada
que ocê me fez passá,
vai ter volta acumulada,
e o retorno vai ser já.
Espera, espera sentada,
pr’ocê nunca se cansá,
todo amor que eu dei um dia,
achando bonito de dar,
morreu roxo de vexame,
foi pastá noutro lugar.



-Ora, ora, João de Deus,
por favor, vá te catá!
eu não sou desavisada,
já sei de tudo que há.
Antes d’ontem reparei,
no seu olhar de matuto,
parado bobo pro céu,
semelha que nem defunto.
E zumbiu nos meus ouvido,
veio inté gente contá,
tudo aquilo que a cidade,
já percebeu pelo ar.



-Ah, Lurdinha, tu tá louca!
já falei pra num escutá
história que povo conta,
ocê qué me infernizá.
Vai dá trela pra lorota,
que vai vê no que é que dá...
olha a Telma lá da ponte
com dois filho pra criá.
Tanto perturbou o ôme,
tanto fez pra chateá,
que ele botou pé na estrada,
foi casá noutro lugar.



-Ah. Meu Deus, só me faltava!
Atirei pedra na cruz?
Fica você bem sabendo
que a Telma é que teve luz.
Com Nerco da padaria,
aquele que vende fiado,
foi vista de braço dado,
inveja ali só produz.
O burro do seu amigo,
que fugiu dessa cidade
mais filha de Zé Furtado,
achando fazê por bem,
foi visto em Monte Cerrado,
cheio de pinga do lado,
tropeçando nos arbustro,
dizendo que nada tem.
A muié incheu o saco,
nada como vê pra crê,
tudo que ela qué na vida
é o pingunço devolvê.
Adesculpou com a Telma,
que dispensô o favô,
braço cheio de bisnaga
que ganhô do seu amor.













Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui