Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
182 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59106 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9434)

Erótico (13481)

Frases (46493)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Aos Companheiros da Usina. -- 11/12/2006 - 20:57 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
GENESIS IV – Caim e Abel
(por Domingos Oliveira Medeiros)

E o mundo então conheceu o bem e o mal
Acaba o paraíso, a vida eterna e a pureza, enfim
E a mulher de Adão concebida dava a luz
Nascendo da união da carne seu filho Caim
Que mais tarde se tornara um lavrador
E a luz se fez novamente para um pastor
De nome Abel, mais tarde morto, um triste fim

Passado algum tempo, a oblação ao Senhor
Caim Lhe oferece os frutos da terra que plantou
Abel, ao lado, oferece primogênitos do seu rebanho
E o Senhor olha com agrado para o que Abel doou
Mas não olha para Caim, que fica bastante irritado
Pois Deus para seus dons não havia olhado
E sobre o bem e o mal, o senhor o alertou

Se praticasse o bem,teria todos os males perdoado
Mas, em caso contrário, pagaria por tudo que pecou
Assim Caim, contrariado e num gesto surpreendente
O seu irmão Abel para o campo ele chamou
E lá chegando, a maldade que corria no seu coração
Por inveja, por despeito, ou mesmo ódio do seu irmão
Caim atirou-se, enraivecido, sobre Abel e o matou

E Deus de pronto para o crime atentou
Eis que a voz do sangue de Abel por Deus clamava
E Deus amaldiçoa e expulsa da terra Caim
Que bebera o sangue do irmão que derramava
E Caim passou a não tirar da terra o alimento
Por ter sido vil, criminoso e violento
E pela terra tornou-se um peregrino que errava

E assim Caim afastou-se do olhar protegido do Senhor
Posto que lhe foi garantido que quem o matasse
Seria punido por isso sete vezes mais
E assim foi dito a Caim que se afastasse
E Caim foi habitar na região do Eden, no oriente
Conheceu sua mulher e seguiu sua vida em frente
Nasceu seu filho Henoc, pois quis assim que se chamasse

E aqui começa a descendência de Caim
Com a cidade que o nome do filho ele botou
Henoc, que gerou Irad, Irad que gerou Maviael
Maviael que gerou Matusael, que Lamec ele gerou
Lamec que teve duas belas namoradas
De nomes Ada e Sela, assim chamadas
Ada que teve o filho Jabel, que esse nome assim tomou

Sela, de seu lado, deu à luz Tubal-Caim
De quem para os que lidam com ocobre e o ferro foi o pai
E de quem Noema depois se soube sua irmã
E disse Lamec às suas mulheres: escutai
Por uma ferida matei o homem e um menino por contusão
Setenta e sete vezes ficarei sem o perdão
Promessa feita a Caim, que da lembrança não me sai

E assim vieram os descendentes de Adão e Eva
E o mundo rapidamente se modificava
Não havia mais como guardar qualquer segredo
E assim a humanidade crescia e se multiplicava
Experimentando as coisas do bem e do mal
O amargo da vida, seu doce e seu sal
E para o dilúvio a humanidade caminhava.

Tempos de reflexão. E de agir.











Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui