Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
179 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58655 )
Cartas ( 21223)
Contos (12990)
Cordel (10256)
Crônicas (22147)
Discursos (3159)
Ensaios - (9331)
Erótico (13465)
Frases (45858)
Humor (19094)
Infantil (4322)
Infanto Juvenil (3486)
Letras de Música (5467)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137970)
Redação (3032)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5384)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->Manoel de Juazeiro, Poeta. -- 15/12/2007 - 18:13 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. De férias em passagem por Picos (PI), em 11.12.2007, "conheci" um poeta popular "desconhecido" que me disse apenas que era de Juazeiro do Norte (CE) e que é poeta. Tomamos umas tirando gosto com o famoso Feijão do Pelado (Só quem conhece Picos sabe do famoso feijão). No meio de bom bate papo o Manoel recitou os seguintes versos, sempre depois de dar as explicações:

- Quando Patativa do Assaré era desconhecido foi à Canindé (CE) pagar uma promessa que fizera à São Francisco, santo milagreiro e padroeiro daquela cidade. Depois de longa e cansativa viagem andou pelos bares da cidade cantando seus versos para arranjar alguns trocados. Numa ocasião uns jovens começaram a caçoar do poeta e um deles disse: isso é PUETA tirando o É.

Patativa disse:

"Eu sou o poeta Patativa
da cidade do Assaré
vim pagar uma promessa
na Matriz de Canindé
sou das terras sertanejas
tua mãe talvez quem seja
PUETA tirando o É".

- Algumas moças estavam na calçada da Igreja durante a Missa das nove horas quando um jumento em desabalada carreira, atrás da jumenta, parou e "cobriu" a jumenta bem próximo das jovens.

Um poeta anônimo que assistia a cena, disse:

"Arre lá jumento velho
que moda feia essa tua
tantas moças na calçada
e você com esta espada nua
tira a jumenta lá do mato
e vem comer no meio da rua".

- Um poeta violeiro chegou à cidade à procura de outro poeta para fazer uma cantoria. Alguém lhe disse sobre um, mas que era muito fraquinho. O poeta foi lá e fez o convite. O outro poeta aceitou com a condição de que não fosse "aperreado" com versos que o deixasse em situação embaraçosa. Na hora da cantoria o poeta experiente querendo fazer bonito botou "pra lascar" no aprendiz que quando se viu aperreado, disse:

"você disse que não aperreava
mas já está me aperreando
eu dou-lhe um tapa tão grande
que você cai no chão rodando
com as orelhas lepe-lepe
e o cú abrindo e fechando".

- O cara já estava triste de tanto "levar chifre". Alguém lhe perguntou por que vivia só. Ele respondeu:

"Mulher é um bicho bom
mas eu não confio nela
nem na preta, nem na branca,
nem casada e nem donzela
ela tem uma fechadura
que toda chave dá nela".

Tarciso Coelho, 15.12.2007
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 5Exibido 818 vezesFale com o autor