Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
161 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13106)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46522)

Humor (19286)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3730)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138243)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O CIUMENTO E A SEDUTORA -- 05/10/2012 - 20:43 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
Ela não era o que se poderia chamar de "avião", mas não havia dúvida de possuir o talento em seduzir e encantar os homens; aliás, um talento que faz de algumas mulheres verdadeiras deusas. E como um pássaro livre, não se prendia a nenhum homem. Necessitava deles e inclusive os procurava, mas só quando o instinto e a ocasião se fazia necessário.
Eles, por sua vez, cegos de paixão, sentimento que na mais das vezes impede os apaixonados de ver o que está diante dos olhos, acreditavam não só naquele amor correspondido como também na fidelidade, pois o amor é quase sinônimo de fidelidade. Ela porém não tinha escrúpulos em enganá-los.
E mesmo quando era surpreendida na mentira, embora soubesse mentir como poucas, ainda sim conseguia reverter a situação a seu favor. Mas o amante enganado mais cedo ou mais tarde acaba caindo na real, e nessas horas o ciúme o dominava de tal forma que inevitavelmente acabava por cometer uma besteira; às vezes tão grande que o desgraçava a vida.
Romildinho, o mais jovens de seus atuais “namorados”, aquele rapaz que procurava sempre conter o ciúme, certo dia não foi convidado para uma festa e para a qual sabia que ela tinha sido. Não fosse a ausência de comentários por parte dela, talvez não houvesse estranhado o fato. Mas não quis indagá-la para não confessar-lhe o ciúme, o que muito a desagradaria.
Tarde da noite, não a encontrando em casa, decidiu ir buscá-la na dita festa para que não viesse sozinha para casa. Foi inclusive antevendo um retorno de mãos dadas e troca de carícias ao longo do trajeto.
Mas eis que a vê, a poucos metros dali, recostada a um muro, nos braços de outro rapaz. Talvez se estivesse tão somente abraçada com outro homem, isto não teria feito o ciúme possuí-lo feito um espírito maligno, mas como suportar aqueles beijos tão impudicos? Como conter a fervura do sangue ao deparar com carícias que amiúde só se faz entre quatro paredes e que em público são, quase sempre, praticados por prostitutas? Então aquela jovem por quem estava perdidamente apaixonado, na verdade, era uma vadia? Dir-se-ia uma cadela?
Arrancou do bolso o pequeno canivete usado como chaveiro e avançou sobre o casal feito um animal possuído. Espetou-o primeiramente várias vezes nas costas e pescoço de seu oponente, depois no abdômen e pescoço da amante, até que ambos caíram inconscientes na calçada.
Quando finalmente se deu conta do que fizera, era tarde. O casal agonizava e esvaiam-se em sangue. No entanto, não se desesperou: sentia-se vingado. Fechou o canivete, recolocou no bolso e virando as costas disse:
-- Que fiquem juntos eternamente!
Voltou para casa, apanhou seus pertences mais importantes e desapareceu.



LEIA TAMBÉM:
CRÔNICAS ERÓTICAS: O TÍMIDO (2)
CRÔNICAS ERÓTICAS: O TÍMIDO (1)
POR VOCÊ EXISTIR
O TEMPO A SEU TEMPO
O CARTÃO DE CRÉDITO
CRÔNICAS ERÓTICAS: UM MULHERÃO
NO LUGAR DO POLÍTICOS
HORA MARCADA
FOI INESQUECÍVEL
MUDANDO DE NEGÓCIO
ANTES DO CAFEZINHO
GAROTINHO ESPERTO
ATRAVÉS DO ESPELHO
O POETA ESTÉRIL
SEI FALAR DE AMOR
DEFINIÇÃO DE MULHER

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui