Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
180 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58444 )
Cartas ( 21217)
Contos (12940)
Cordel (10248)
Crônicas (22144)
Discursos (3154)
Ensaios - (9303)
Erótico (13459)
Frases (45636)
Humor (19032)
Infantil (4261)
Infanto Juvenil (3391)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1331)
Poesias (137836)
Redação (3023)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1938)
Textos Religiosos/Sermões (5334)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->TJN - 004 = O Estado de Dinheiro -- 30/09/2007 - 15:01 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. O ESTADO DE DINHEIRO

A Declaração Universal dos Direitos do Homem e a Constituição da República garantem, como fundamento inalienável, que todos os homens são iguais em dignidade e direitos. Ora isso não passa duma treta, pois, na sociedade que está a ser criada, o Estado é o Dinheiro. Isto é, estamos num Estado de Dinheiro e não num Estado de Direito nem de direitos. Quem tem dinheiro tem tudo, pois tudo compra até os direitos, vive no meio dos poderosos, tem relações, acessos e move influências.
Não há direito nenhum quando uns têm direito a clínicas privadas sem lista de espera e outros morrem antes de serem consultados e operados! Uns, têm bons advogados influentes, conhecedores das teias da lei e meios para recorrer a todas as instâncias, outros, apenas principiantes e estagiários! Uns cumprem prisão no domicílio com polícia à porta, outros na cadeia! Uns têm boas vivendas para viver confortavelmente e outros, as barracas ou os portais das casas para dormirem! Uns pagam os impostos quando querem e quanto querem ou simplesmente não pagam, a outros sacam-lhos antecipadamente do salário, mesmo antes de o receberem. Nem o vêem!
Tudo isto, porque uns têm dinheiro e outros não e para ter direito a habitação condigna, conforto, luz, água, saúde, Justiça, Segurança, qualidade de vida, pópós e télélés, é preciso ter dinheiro. Quem não o tem, passa uma vida de privações e dependências, sempre em bichas e à espera de tudo que nunca chega como os seis do Totoloto ou o Euromilhões, embora tenha os direitos todos direitinhos, consignados na Constituição da República! Se, na realidade, o dinheiro é que dá todos os direitos, porque raio é que a Constituição não dá antes dinheiro aos cidadãos, em vez de direitos que não se cumprem e que, sem dinheiro para os fazer cumprir, não servem para nada?
Poderia ficar por aqui mas não quero que digam que estou a demagogiar o que, hoje em dia, é coisa fácil. Diz-se para aí que todos nascemos iguais o que não passa de outra grande balela porque, na realidade, não nascemos iguais nem parecidos. Uns nascem ricos ou menos ricos e outros nascem pobres ou menos pobres e aí começam as grandes diferenças. Depois há uns que são mais espertos e outros mais burros; uns com mais sorte e outros com menos sorte; uns com mais saúde e outros mais doentes; uns mais trabalhadores e outros mais malandros; uns mais poupados e outros mais estroinas e por aí fora. As diferenças são acentuadas e vão influenciar inexoravelmente o futuro de cada um, isto é uns vão ter mais dinheiro, outros menos e outros nenhum. E, ainda por cima, numa sociedade em que o dinheiro, o vil metal, as coroas, a massa, a maçaroca, os cifrões, o cacau, os cabedais, o bago, o taco, o caroço, os carcanhóis, a guita, o guitame, a grana, o pilim ou o que se quiser chamar, é o rei e senhor e para o conseguir, é o vale tudo, é a selva, é o salve-se quem puder, só pode ser um Estado de Dinheiro que já se sente e de que maneira!

23/12/01

Reinaldo Beça

(reibessa@hotmail.com)
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui