Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
180 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58444 )
Cartas ( 21217)
Contos (12940)
Cordel (10248)
Crônicas (22144)
Discursos (3154)
Ensaios - (9303)
Erótico (13459)
Frases (45636)
Humor (19032)
Infantil (4261)
Infanto Juvenil (3391)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1331)
Poesias (137836)
Redação (3023)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1938)
Textos Religiosos/Sermões (5334)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->TJN - 004 = Matemática, Para Que Serve? -- 29/09/2007 - 16:13 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. MATEMÁTICA,PARA QUE SERVE?

Muitos responderão simplesmente: serve para nos dar cabo da cachola e mais nada; atrasar o fim do curso e a entrega do canudo que nos irá dar hipóteses de emprego, dirão outros. E para ser um executivo, um ministro, um secretário de Estado e depois obter um tacho de administrador, conduzir um grande BM e ter o futuro garantido com opulentas reformas, para que serve o raio da matemática? E para ser um ás de pontapé na bola, um treinador que ensina a metê-la no meio de dois postes, pago como um xeque árabe, para que serve tanta equação? Ou ser uma pessoa famosa a debitar bem como aqueles da Quinta ou do Big Brother, para que servem os logaritmos?
E os milhentos que pensam que para beber uns copos, um scotch do “naice”, andar de boteco em boteco a ver as novidades do mercado, engatar umas chavalas, estonar largo uns guitames, saçaricar numa discoteca, destrocar algum metal, umas “cinquentolas” ou umas “centolas” para que serve tanto cálculo? Quem seria o sádico que inventou semelhante coisa que só serve para complicar a vida à gente? Tás a manjar, ó malandro? Os grandes matemáticos, aqueles que passaram a vida a gatafunhar algarismos e fórmulas no quadro, nunca foram ricos e, muitas vezes, maravam da moina com os fusíveis queimados de tanto matutar! Ricos eram aqueles para quem eles trabalhavam, os que tinham o “suminho dos guitames”, as “gaitas” na carteira e que não sabiam “nestes” de teoremas nem de Pitágoras!

Mas o certo é que, no contexto actual de economia de mercado, em que o dinheiro que tudo compra, é o supra-sumo e o ser rico é a finalidade suprema, a mentalidade, os valores que se incutem na juventude, também têm muita influência no insucesso da matemática e de outras ciências exactas que actualmente não passam duma seca. De nada vale mudar métodos de ensino se as mentalidades e os valores não forem mudados. E isto não poderá ser feito sem mudar também o contexto, ou seja o cenário em que nos inserimos. Mas há algo que se poderia fazer.
Assim, os alunos deveriam ser postos perante os problemas científicos ou do dia a dia que necessitassem dos conhecimentos de Matemática para serem resolvidos, caso contrário, as equações, os conjuntos, os logaritmos, a trignometria, o cálculo diferencial, infinitesimal, tensorial, a geometria de Euclides, de Riermann etc. serão uma grande seca, sem qualquer interesse, para a grande maioria da maralha ou seja os tais 80% que chumbam em matemática no nosso Portugal.

22/07/05

Reinaldo Beça

(reibessa@hotmail.com)
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui