Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
84 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57376 )
Cartas ( 21181)
Contos (12603)
Cordel (10138)
Crônicas (22259)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44132)
Humor (18585)
Infantil (3846)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138545)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->AMBIGÜIDADE AMOROSA -- 18/09/2007 - 23:05 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
AMBIGÜIDADE AMOROSA
(Por Germano Correia da Silva)


Um homem procura o distrito policial do seu bairro para se queixar de ameaças que estava sofrendo por parte de sua amada e assim se expressa:

- Seu delegado, há muito tempo eu estou sendo ameaçado pela mulher que amo, a qual alega que eu tenho que sair de casa, mas nós temos um caso em comum a ser resolvido.

O delegado era um daqueles profissionais muito competentes e de temperamento calmo, por isso ouviu pacientemente o relato do queixoso e, sem se sentir convencido do motivo apresentado por ele, finalmente pergunta:

- O que o senhor tem feito para evitar que essa pretensão maléfica saia em definitivo da cabeça da pessoa que você ama?

- Nada, doutor - respondeu ele - na verdade, eu ainda não parei para pensar nisso, e mesmo que eu pensasse em fazer alguma coisa eu não vejo, no momento, nenhuma vantagem em tomar algum partido.

O delegado ficou bastante curioso com a resposta dada pelo queixoso e para tentar elucidar melhor aquela questão, resolveu fazer mais uma pergunta:

- Com base em que elementos o senhor confirma as ameaças de sua amada em relação a esse caso?

O homem coçou o cavanhaque, meio desconfiado, como se estivesse pensando em pôr a sua barba de molho e responde:

- Seu delegado, confirmar eu não confirmo não, mas tenho notado que nos últimos tempos ela tem andado com um comportamento muito estranho.

- Mas isso não é motivo suficiente para o senhor desconfiar dela – contemporizou o delegado.

Com os olhos rasos d’água, o homem resolve se abrir de uma vez por todas e quase sem conter a emoção ele confessa:

- Doutor, eu não estou desconfiando dela não. As nossas brigas conjugais têm sido por causa de uma indefinição amorosa que tem nos atormentado, ou seja, a pessoa de quem eu gosto ela também gosta e essa pessoa ainda não decidiu se vai ficar comigo ou com ela.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 15Exibido 577 vezesFale com o autor