Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
181 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58444 )
Cartas ( 21217)
Contos (12940)
Cordel (10248)
Crônicas (22144)
Discursos (3154)
Ensaios - (9303)
Erótico (13459)
Frases (45636)
Humor (19032)
Infantil (4261)
Infanto Juvenil (3391)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1331)
Poesias (137836)
Redação (3023)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1938)
Textos Religiosos/Sermões (5334)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->TJN - 004 = As Grandes Cachimónias da Ciência -- 15/09/2007 - 06:35 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. AS GRANDES CACHIMÓNIAS

Sempre aspirei ou cismei fazer uma crónica séria, científica que seja entendida por qualquer bicho careta e ponha a Humanidade a pensar, o que é bastante difícil nos tempos que correm, confesso. Mas com persistência tudo se consegue e então optei por “cronicar” sobre as grandes cabeças pensantes, as grandes cachimónias da Ciência que, com a sua teimosia, mudaram o mundo mas também não tardarão a dar cabo dele, estou certo!

Durante a longa história do mundo, houve sempre extravagantes, exuberantes, maníacos, teimosos, cismáticos, embirrentos, coca-bichinhos, desmancha-prazeres, psico- depressivos, etc. Houve sempre de tudo e não vai lá que apareceu um desses maníacos embirrento que para contrariar toda a gente que vivia satisfeita na paz do Senhor, deu-lhe para andar a dizer que a Terra era redonda e que girava à volta do Sol, quando toda a gente sabia e até se via muita bem, bastava olhar, que a Terra sempre foi bem planinha e que o Sol é que andava à volta da gente, a alumiar! Já se viu tamanha patranha! Se a Terra fosse uma bola, cairíamos todos abaixo dela! Como é que se agarravam os que estavam dos lados ou por baixo? Como é que nos segurávamos? E ainda para mais se ela andasse, para aí, às voltas, aos trambolhões? De certeza que sentiríamos o vento, a corrente de ar que faria e que nos atirava ao chão! E com as voltas que daríamos, ficaríamos todos ourados, não conseguiríamos pôr-nos de pé, nem dormir nem fazer nada! Então não se vê, todos os dias, o Sol a aparecer dum lado e lá vai a andar, a passar por cima de nós e a pôr-se no outro lado?! Qualquer um pode ver?!
E não vai outro que lhe dá na veneta de dar a volta ao mundo de barco, para provar esta toleima e acaba por ser comido de churrasco, quando passava numa terra que não acreditou naquelas tretas! Há cada um!
Bem faziam os santos homens da Igreja, que tudo sabiam há muito e que também faziam churrasco com esses maníacos mas apenas com o piedoso fim de os levar para o bom caminho e aliviá-los, de entre outras coisas vis, das más ideias daquelas cabeças perdidas.
Mais tarde, aparece outra alma perdida, com a mesma mania, a teimar como um demónio, dizendo as mesmas mentiras, por mais que lhe fizessem ver a verdade, mais que evidente. Tanto teimou que, ao sentir o fogo do inferno perto dos pés, resolveu ganhar juízo. Mas, não muito convencido, lá ia dizendo baixinho, a bichanar na sua língua mater italiota: - Epure si muove! Epure si muove! - O que queria dizer contudo move-se, contudo move-se (a Terra e não o Sol). Este era mesmo birrento! Só mesmo com o fogo nos chispes!

Passados uns anos, estava um desses cismáticos a dormir a sesta debaixo duma macieira, quando uma maçã se desprende da árvore e, no seu percurso, vai direitinha à cabeça do dorminhoco, acertando-lhe em cheio. A coisa mais natural do mundo, a maçã cair e acertar-lhe em cheio na tola! Mas para aquele cérebro um tanto conturbado, as coisas não foram assim tão simples. Ou porque ficou abalado com a forte pancada na cachola que lhe deu cabo dos neurónios, pois a maçã era grande e a árvore era alta, ou porque acordou estremunhado com os fusíveis queimados, o certo é que começou logo a cismar porque é que a maçã caiu e não ficou a pairar no ar, a levitar! Imagine-se lá semelhante coisa!
É preciso ter ficado mesmo mal da coca, pois qualquer pessoa normal via logo que a maçã caiu porque estava madura e desprendeu-se da árvore! As coisas caem quando se soltam e ninguém as segura! É assim que acontece sempre! Mas aquela cachimónia complicada, cismou, cismou, fez cálculos e mais cálculos e acabou por descobrir a grande novidade, vejam lá, que a matéria atrai a matéria. E naturalmente que quanto mais cacau ou massa houver e quanto a menos distância estiver, mais atrai. Que novidade! E tudo explicadinho ali com cálculos matemáticos e tudo. E não vai que o homem ficou célebre, foi considerado um grande cientista, só por ter descoberto isto que já toda a gente sabia!

Depois, já passados uns séculos, aparece outro que lá porque encontrou uns ossos dum macaco muito velho e de outros bichos muito grandes que desapareceram porque não arranjavam comida para alimentar aquelas grandes panças, começou para aí, com uma grande lata, a chatear toda a gente, afirmando que nós todos descendíamos dos macacos; que os nossos avós eram macacos e que os macacos, sim, aqueles macacos que a gente via aos guinchos e aos saltos, a coçar o rabo no Jardim Zoológico, eram todos nossos primos! Eram nossos parentes! Que grande lata!
Macaca devia ser a prima e a mãe dele e macaco o avô e o pai daquele macacório, neto de gorila e filho de orangotango! Agora chamar neto e primo de macaco a toda a gente, é preciso estar mesmo pirado! Que os macacos o mordam!
Mas de nada valeu discutir com aquele obstinado, mostrar-lhe as diferenças mais que evidentes; dizer-lhe que nós fomos feitos à imagem de Deus; que Deus não era nenhum símio e que éramos filhos de Adão e Eva e não de nenhum macaco. O homem embirrou para ali, cristalizou e não houve volta a dar-lhe. Mas o pior é que muitos acreditaram nele e esses filhos de macaco que passaram a vida a macaqueá-lo continuaram a dar cabo da paciência àqueles que não aceitam pertencer a tal estirpe macacória.

Passado pouco tempo aparece outro com uma grande trunfa que se fartou de fazer contas e mais contas, enchia tudo quanto era quadro ou papel, de números e mais números, de equações e mais equações a todos os tipos de incógnitas e mais incógnitas e quase que pirava com tanta fórmula. Mas parece que ensandeceu, endoidou mesmo quando concluiu e quis convencer as pessoas sérias e honestas, que o Universo, o Mundo que Deus criou e todas as suas leis se resumiam apenas a uma gatafunhada, a simples sarrabiscos: E = mc2.
Vejam lá o que pode sair duma cabeça em delírio! Todos nós sabemos que o Mundo foi criado por Deus numa semana e não foi preciso fazer tantas contas, nem precisou de nenhum computador! Bastou dizer: faça-se luz e o BIG-BANG aconteceu, num enorme clarão.
Mas a verdade é que com aquilo, com aquela sarrabiscada toda arranjaram energias do demónio que enchem o mundo de cancro e ainda conseguiram fazer bombas que mataram milhares e milhares de pessoas. E por causa delas, anda agora o Bush, coitado, à rasca, atrás de outros malucos cismáticos a quem chama terroristas, que ainda possam ter aquilo na mão e darem cabo de tudo, estourando de vez com a tal bola que anda para aí às cambalhotas, ao Deus dará, e que, de certeza, não foi feita para acabar assim nas mãos de doidos varridos!

Há alguns que são inofensivos mas aparecem outros que são mesmo um perigo. Cuidado!


7/10/02

Reinaldo Beça







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui