Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
181 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58677 )
Cartas ( 21225)
Contos (13001)
Cordel (10257)
Crônicas (22150)
Discursos (3159)
Ensaios - (9335)
Erótico (13465)
Frases (45881)
Humor (19090)
Infantil (4324)
Infanto Juvenil (3494)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137799)
Redação (3032)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5388)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->TJN - 004 = A Denúncia -- 10/09/2007 - 12:41 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. A DENÚNCIA


O nosso Código Penal já funciona por denúncia. A que um honrado chefe de família está agora sujeito! Basta um maldoso e metediço vizinho, por sadismo ou para satisfazer qualquer vingançazinha mesquinha, fazer queixinhas de que se está a exercer o inalienável direito que assiste a qualquer macho latino, de dar a tradicional sova na mulher, para apanhar com um processo penal às costas que o pode levar cinco anos para a choça com férias pagas e pensão completa.
Já não se pode manter a ordem numa casa com a necessária disciplina e preservar a sagrada paz do lar?! Já não se respeitam as antigas e sábias leis que dizem que entre o homem e a mulher não metas a colher?! Faz-se uma tragédia duma simples afirmação de autoridade que, desde os alvores dos tempos, visa apenas impor a ordem e a disciplina na família.
Com esta nova figura jurídica, a denúncia, muito de agrado dos portugueses metediços, coscuvilheiros e acusa-Cristos, promove-se a delação e regredimos aos tempos dos bufos e das perseguições pidescas ou da tenebrosa Inquisição do Tribunal do Santo Ofício que funcionava também por denúncia.
Onde está o flagrante delito, a prova, a queixa formal, a inviolabilidade da autonomia do cidadão? Isto põe em causa as liberdades individuais previstas na Constituição e todas essas liberdades e direitos que protegem os criminosos e não protegem das más línguas, de vizinhos invejosos, das malquerenças de que o mundo está cheio, um honrado chefe de família cumpridor dos seus deveres e que paga atempadamente os seus impostos! E depois toda esta discriminação que se faz contra os homens, contra o poder que durante séculos e milénios, garantiu o sustento e a ordem na Família, célula base duma Sociedade civilizada. Desconhecem que também há homens oprimidos que sofrem constantes agressões e humilhações tanto das mulheres como das sogras como até de toda a família?! Autênticos sacrificados sem ter quem os defenda?! Uma autêntica injustiça e discriminação sexual que prevê a igualdade dos direitos das mulheres e não se importa com os direitos dos homens?! Não têm em conta que o mundo mudou e que na maioria dos lares modernos, quem manda são elas e eles reduzidos a simples moços de recados, a amas-secas, a mulheres-a-dias, ainda apanham calados, escondendo, por alguns resquícios de brio, a vexante condição a que foram votados. É a ignominiosa opressão feminina.
Elas, cada vez mais dominadoras, desbragadas e cheias de vício, saem de casa à noite, entram de madrugada, vão para os copos, para o streap-tease masculino e até os enfeitam sem que eles, por imposição desta estúpida lei da denúncia, possam limpar a sua honra com todo o direito que lhes assiste na sua condição de macho dominante (nem sempre).
É vexante, aberrante e contranatura. Isto da aviltante lei da denúncia, só poderia ter sido obra de seres degenerados que para aí proliferam e que já nem sabem onde os têm, indignos do sexo a que pertencem.

8/08/02
Reinaldo Beça

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui