Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
167 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58677 )
Cartas ( 21225)
Contos (13001)
Cordel (10257)
Crônicas (22150)
Discursos (3159)
Ensaios - (9335)
Erótico (13465)
Frases (45881)
Humor (19090)
Infantil (4324)
Infanto Juvenil (3494)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137799)
Redação (3032)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5387)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->TJN - 004 = O Homo Automobile -- 20/08/2007 - 21:23 (TERTÚLIA JN) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Homo Erectus, Homo Sapiens, Homo Automobile. Após as várias fases de desenvolvimento humano, chegou o Homo Automobile que daqui a alguns milénios, irá ser encontrado fossilizado dentro duma carapaça de chapa donde durante toda uma vida raramente saía. É esta a conclusão a que vão chegar os antropólogos do futuro quando estudarem os hábitos desta espécie humana.
O homem sem carro sente-se despido, sente-se nu e entra em pânico, em depressão profunda quando não pode dispor dele. Para que serve um dia sem carros se os dias seguintes passam logo a ser com carros? É como o dia contra a Droga, contra a SIDA, contra a Pobreza: passa e fica tudo na mesma. Não há coragem para contrariar esta tendência, esta fase da evolução do homem. Quando anda enlatado, o seu comportamento altera-se completamente. Passa a ser arrogante, impaciente, cheio de stress, de mau humor, pouco sociável, esquizofrénico, só vendo inimigos por todos os lados. Continua a fazer o mundo à medida do recipiente rolante em que se desloca e que tudo vai destruindo e alterando mas dá comodidade e “status”. Como poderia o Homo Vulgaris, aquele que passa despercebido, fazer-se notar, no meio da multidão, sem o invólucro metálico reluzente que não larga?
Nunca se viu nada escravizar tanto os hominídeos como o automóvel. A ele tudo sacrificam tanto o ambiente do planeta em que habitam como até a própria vida que vão perdendo diariamente em brutais acidentes. Isto, porque o bicho-homem não quer viver onde vive, quer estar sempre onde não está, quer vaguear constantemente dum lado para outro e organizou a sua forma de vida, o seu habitat em função do pópó. Não é por causa do transporte para o trabalho que é longe de casa, porque no dia de descanso, ninguém pára, é o mesmo.
Aqueles mais previdentes ou mais esclarecidos que prefiram andar a calcantes, de bicicleta, ou outro meio de locomoção mais saudável e menos poluente, como o poderão fazer? Onde estão as infra-estruturas para tal como em certos países onde é usada frequentemente a bicicleta? As cidades, as estradas estão a ser concebidas para ser utilizadas apenas pelo arrogante Homo Automobile que olha com desdém para o “humilde” pedestre e qualquer ciclista ou pedestriano sem preconceitos elitistas que se atreva a circular em tais sítios sem a protecção do recipiente metálico, sente-se logo o ser mais vulnerável, menos protegido do planeta! O seu instinto avisa-o logo que terá grandes probabilidades de regressar comodamente instalado numa carapaça branca com uma grande cruz vermelha, a piscar e a guinchar todo o caminho, a grande velocidade.

19/09/2001

Reinaldo Beça
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui