Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
231 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13103)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138237)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Sem clima -- 16/12/2011 - 15:32 (Juliana Mendes Velludo Guidi) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Hoje tive um almoço de confraternização no colégio onde trabalho. Foi gostoso, mas não me encontro mais ali. Sinto que não será fácil continuar. Vou ficar mais um ano e ver como as coisas acontecerão. Estou me sentindo perdida. Sei que pode passar. Fiquei um pouquinho mais animada ao ouvir minha diretora dizer que os alunos estão me querendo como professora nos nonos anos. Gostei quando a Sara, mãe da minha aluna Victória Jane, disse que pediu para a filha escolher uma professora para presentear e a menina me escolheu. Gosto quando o Murilo Badessa, meu aluno amado, diz que vai me ver no dia 25/04/12. Ele vai para outra escola aqui de Ribeirão Preto, o Liceu Albert Sabin, disse que sentirá minha falta e quer me dar um presente de aniversário. A Maju também reacendeu uma chama aqui dentro. Eu já estava considerando não mais ecrever, porque ando um fiasco e fiquei com a impressão de ter cansado uma pessoa muito importante para mim,  quando ela veio me agradecer por tudo o que fiz por ela, por tê-la incentivado a produzir textos. Isso é gostoso. Como outras coisas também são. Meus colegas são divertidos. Gosto de estar com eles. Hoje já ri muito com o Cleido, meu amigo querido. Ele me faz bem. Conversar com a Lucimara, minha amiga que dá aula de inglês, também é bom. É... talvez não seja tão ruim quanto estou pensando. Aos poucos vou redescobrindo o prazer de ser professora e estar no Colégio Metodista, minha segunda casa. Preciso pensar muito antes de deixar a escola, talvez ela me devolva a felicidade. Quem sabe?
No almoço fui sorteada! Isso não acontece comigo! Não existe alguém mais sem sorte em relação a isso. Mas hoje ganhei uma noite no hotel Bassano Vaccarini, que fica aqui, ao lado da minha casa rs... Recusei. Ora, o que vou fazer? Sair de casa, dar uns poucos passos e me hospedar num hotel só para não perder o prêmio? Quase me esganaram, né? O Xandi, meu amigo que dá aula de geografia, tirou muito sarro! Colocava as mãos nos ouvidos e dizia: "Ju, você troca uma diária num hotel por uma caixa de doces?" "SIMMMM" rsrsrs... E você não imagina o que ele fez! Ele também foi sorteado (antes de mim). Ganhou um pequeno faqueiro. Quando a diretora me deu o envelope com o prêmio, pedi para que me desse outra coisa e sorteasse novamente o Vaccarini. Quem ganhou? A Ellen, a moça da biblioteca. O Xandi não perdeu tempo e fez uma proposta indecente para ela. Calma! Não é o que está pensando. Ele ofereceu o faqueiro em troca da noitada que pretende ter com uma das ficantes no hotel. Ela aceitou rs.
Acho que foi melhor assim. Estou tão entristecida que não consigo me pensar aproveitando o prêmio que ganhei. Se as circunstâncias fossem outras, se essa diária me fosse ofertada daqui a... não sei exatamente quanto tempo, não pensaria duas vezes. Mas hoje quero sossego. Quero deitar e dormir... sem pensar.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui