Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
238 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138237)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Que culpa! -- 13/12/2011 - 09:15 (Juliana Mendes Velludo Guidi) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Se eu não conto as coisas como elas realmente aconteceram, elas não aconteceram. Sou fidelíssima comigo, mesmo que me custe um alto preço.
Dia 09/12/11 aconteceu a formatura dos meus alunos dos nonos anos. Foi um dia muito especial! Fui homenageada e ouvi palavras maravilhosas de uma aluna querida e inteligente. Claro que chorei. Principalmente por estar sofrendo a dor da separção. E que separação! Foi choro de emoção e dor. Após a colação, seguimos para a festa. Eu me sentia um pouco mal, pois não estava me alimentando direito desde o dia anterior. Mas decidi beber mesmo assim. Sentia-me feliz com e pelos alunos, e triste por ter de me separar de quem amo. Festejamos juntos. Tentei, não sei se consegui, expulsar a tristeza do meu coração e curtir a festa.
Os alunos não beberam nada com álcool. O que tentou dar um golpe carregando uma garrafa de... não me lembro qual a bebida que ele carregava, foi flagrado e sua bebida confiscada. O que me trouxe aqui foi um tremendo sentimento de culpa que está me pesando na consciência. Minhas alunas do 9° B me pediram para pegar bebida e dar para elas, claro que não fiz isso. Disse: NUNCA. Eu tenho o hábito de beber cerveja com gelo. Meu copo tinha um dedo de mais água do que cerveja. Eu estava justamente indo pegar mais, quando uma aluna, que não é minha, veio e me pediu esse resto. Eu permiti que ela bebesse o gole final e agora estou aqui me remoendo por isso. Se pudesse fazer voltar o tempo... estou me sentindo muito mal. Sensação de desosnetidade para comigo, sabe? Estou pesada e suja. Esse gesto apagou o NUNCA que dei às minhas alunas. Tudo bem, elas queriam copos cheios, mas deixar que uma desse um gole no meu copo foi como ter atendido ao pedido delas.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui