Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->XANGÔ,POLITICA E CELINA... -- 03/07/2011 - 13:01 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
XANGÔ, POLITICA E DONA CELINA...

Mexendo o fedido mexido num girador político dela, trocando de mulher como quem troca de roupa, secretariando analogicamente o coité com sua rapaziada. Quem tem põe e quem não tem caia fora, sentada no gabinete, conhecidíssima na terra caeté pela sua vida de baba ação: boi da bunda branca, Cornélio, cobrão. O passado do menino de bandeira MDB, fogo tocado na torre, fera que liderava o torrão, a serviço da covardia política que exigia ousadia estudantil e lá vão às ruas, épocas das convenções e partidos, partidos. Costas aos peitos de seu líder, Chico e chicote, madeira da região da paróquia do Ó na moita do furado de Dona Celina a bola da vez, respirava forte, corda na cacimba, repetia massificando o pensado, reunião anterior sendo interlocutora do macho men colorido nas noites coitelinas, lava pé de migé, outeiros: traz e frente, freqüentados nas campanhas aos gritos e vendagem da bunda branca, presidente da coligação, exaltada nos comícios na porta da igreja da Senhora do Ó. Muitas lutas para colocar o seu cavalo marinho no palácio municipal. Satisfeita e de medalhas imaginárias aos peitos raspados, toda pomposa e dona da situação do seu líder, perpetua-se ao podre poder com 16 anus da Dita Dura na Dita Mole povo. Faz e desfaz na força da fuxicada com seus soldados meninas de lampião, essa turma com a ródia na cabeça dos achegados, fecharam a rosca aos seus, o resto no coice e polpa da sua chefa, virando o disco no vira cantado de Ney, mato grosso desejado, manobra junina do toma lá e me da cá, em poços fundos do erário publico, alterando a carga horária do ministério publico na ausência do legislativo de bolsos aprofundados pelo executivo de peças tantas, teatrando na manipulação dos relatórios contraditórios e aprovados, sabes lá.

Paz na Terra as Celinas de Boa Vontade...
O Cordeiro Caeté que Pague Pelas Festas Caetés...

Padre Bidião...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui