Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
189 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57952 )
Cartas ( 21205)
Contos (12800)
Cordel (10234)
Crônicas (22052)
Discursos (3145)
Ensaios - (9191)
Erótico (13451)
Frases (45042)
Humor (18882)
Infantil (4091)
Infanto Juvenil (3129)
Letras de Música (5498)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138520)
Redação (2984)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5193)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->BRANCO SUJO,LOBSOMEM E PILAR -- 19/04/2011 - 09:05 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
BRANCO SUJO, LOBSOMEM E PILAR



Carimbó. Operaria vovó, inocência do sacrifício dos dias, negociou sua curuminha. Comandante salta de um zepelim oriundo do caís de Santa Rita, águas do Capibaribe que Ana Dias pariu no calor de quarenta e cinco graus, força galega de olhos azuis de um produto alemão & português ltda.. Devorando no atacado gente, campos infernais de uma Europa “pura”, brancura total, fabricando sabão de couro judeu, loucura de uma sociedade nazista. Quem vem lá? Essa bebida altera o vosso semblante? Parafraseando Arão no quão de irmãos, união, óleo na cabeça do preferido. Caminhar lento, manso e macio, que aprendera com o “frescor Suíço” na grande metrópole do Norte, diante de uma pobreza proletária trabalhou seu desejo mesquinho e pessoal, curou suas mazelas na alma menina de “boneca de pano”. Embuchada na manhosa intenção, Zé Bonzinho das mazelas do grande Recife, pousando de fino e bom moço, levando o papo dez diante da menor estrompada, na delicadeza alva de beliar. La tibum lar mamãe,lavando,passando,parindo,abrindo pernas, aprendendo a cultura do degenerado pé de gato. Cumprindo o acordo que fizera a sogra, custo na covardia homem. Depois de se lambuzar, trabalhou maquiavelicamente os defeitos da companheira,na ganância pelo mulheril da lagoa do sul. Sobrinho de político, família influente, filharada sendo esbrugada a cada ano, de julho a julho vinha um “Branco Sujo” inocentemente aos pilares encardidos e católicos apostólicos e romanos. Senhora do Ó. “A cada qual”. Amigação do casal os filhos não podiam: Receber o nome do macho da mãe, não ao batismo, não comunhão,não fazer amizades aos batizados. “Viviam “a margem social e titulada:” filhos de rapariga”. E na putaria trabalha os filhos de Madalena. Alimentado pela natureza Manguaba cagada pela burguesia.



Paz na Terra aos Filhos de Rapariga de Boa Vontade...

O Cordeiro das Putas que Pague o Pecado caeté...

Vai a Paz...

Padre Bidião...



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui