Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
9 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57504 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10177)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44276)
Humor (18618)
Infantil (3902)
Infanto Juvenil (2848)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->BANHA DE POÍCO E PENTE QUENTE... -- 11/04/2011 - 07:07 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
LIXO, LUXO E GUGU...



Domingo adentrando aos pobres lares, de La tibum no chão rico do nosso Brasil Brasileiro nas ladeiras que fabrica tantos Ciços. A cruz dos brejos de Chico que viagem da malandragem aos caras de paus políticos de Santa Cruz. O galeguinho do seu Silva faz a festa na ausência de uma política social justa. O feio estampa audiência aos semideuses do planejamento estratégico de marketing das TVs convencionais, tange e pastora os cordeiros de Deus no Alá do selvagem capitalismo. Bola, forró, bóia e blá, blá na ilusão vendida nos azuis partidários, katinga a nossa Aza lagoas na galega ação de sapatos a sapatadas na cara natural de Dom Salgadinho aos fedores e negócios das sentenças pelejadas no legal da besta fera sanfonada, no cantar dela e passeios contrariando o eco sistema, teatro planejado na apresentação: A galinha dos ovos de ouro e raposão entre tapas e beijos, a comida do pião o famoso “quarenta” a mistura do cuscuz nordestino com safadeza em tempos de eleição aos ferros do artigo doze na malvadeza do toínho, no Belém e grão no tom de bel, João aos espirros de venta louca no calor do finado papai que nosso estado sustenta os filhos das ditas, duras e moles de um passado nefasto na vesga ideologia partida dos partidos.



Paz na Terra aos galegos de Boa Vontade.



O Cordeiro Caeté que Pague o Pecado “Caeté”.



Vai a Paz



Padre Bidião.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui