Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
10 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57504 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10177)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44276)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2848)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->CANECO,FULERAGEM E CÁLICE.. -- 30/03/2011 - 09:47 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CANECO, FULERAGEM E CALICE...



Na freguesia da senhora do Ò, santa de grande admiração até aos achegados a São Sebastião, nos vermelhos bólidos das procissões pelejadas, na agonia da fé, sodomíticas ao seu padroeiro de rios abaixo nas aguas do pitu no oiteiro do meio. Eita que a coisa ficou feia quando o Sr. Giltonildus homi de confiança do coroné Lapada. A olho nu. Assistiu a fuleiragem de sua Madalena, enfiada até o gogó na alavanca do seu motorista. Aos gritos na agonia, satisfação dela no anel ao sol, papo a terra, a novinha viajava no imaginário da volúpia, chamando pra dentro de si, rodeira dela, na alonga ação coital; Toda a corporação militar, bueiro da caeté, a guarda municipal, os maloqueiros do beco do fogo, aos gemidos que acendendo todos os “machos”” mens” da Vera Cruz. Ao pé e a ordem na ponta recebida, o tal “BOI DA BUNDA BRANCA” levantou a voz a sua amante, ameaçou de surra-la, na grande e fina famosa bimba de boi; O degenerado Paulinaldus de palpitações e peito ao ar; falou ao seu furioso sócio da cabeça de bode: “CALMA! NÃO BATE NELA, ELA FOI BOAZINHA COMIGO”. Saiu desesperado depois da cena, foi falar ao patrão, o que presenciou, aguardou o conselho e recebeu; Não esquente traga ela pra cá; À noite, quando a casa grande estiver vazia, para poder abafar essa cornagem, silenciar tudo, deixa à vadia a meus tratos; O danado de testa doida. Concordou com o senhor dele, disse: Sim, sinhô, douto, já está em vossas mãos. Respondeu a cidade nas malocas da lagoa Manguaba.

Boi, boi, boi;

Boi da bunda branca;

Vem se deitar;

Que a esperança já está na Pança.



De pé e ponta adormeceu o boizão dos Caetés, manso e bolsos cheios no põe e tira da viúva municipal, migé em migé, no toma lá e mim da cá.







Paz na Terra às cabeças de touros de boa vontade...

O Cordeiro do Coité que Pague os pecados Caetés.



Vai a Paz...

Padre Bidião.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui