Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2849)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138234)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->LAVA PÉ,LOBSOME E ESPELHO... -- 05/03/2011 - 10:39 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
LAVA PÉ, LOBSOMEM E ESPELHO...


Chã, chão e chira dos tetos sem eiras e beiras, chora mansinho Manguaba lagoa, mãe do comum, a dor gente, na grandeza da aliança com os bugres, terra dos bagres desnutridos no caldeirão escaldante do engenho velho no torrão do saudoso humanista Artur Ramos. Ventre das Marias que Mariá pinta encantada mente as luas cheias nas sombrias madrugadas, calada no calo a fé do Ó. “SENHORA DELA” aos círculos, no circo adormece o lobisomem das zonzeiras nas pedras recebidas, reinações e pisadas, passeios acima das aguas, entranhas sagradas e Barbara santifica o degenerado Batista, batizado e salivado pela doce mulher do doce lar da canoa as volúpias a céu aberto, adormece seu discípulo de calção abaixo dos joelhos. Nu e acordado, observa as cortinas vermelhas da “CASA DO SENHOR”, o sermão da lava ação no lava-pé teatral, operários da margem opilada e o beijo do vigário, marchando ordenadamente o tema papal Romano no sermão e poder dos “espelhos” da degeneração legislada na “CASA DOS RALADOS” em rolos dos cagas paredes legal nas rola ações Katingada dos fardos calculados nos papeis das leves mãos de veras e dores “POLVO”. Avesso do falado vem, padrinhos e afilhados na poeira vesga da besteira politica subserviente “POVO” carnaval escando a merda dos compadres aqui e camaradas acolá, mascaras dos encontros em “TERRA NOVA” cruzando mosca branca com abelhas tiborneando mel na fabricação da bosta social, alimentando os mandins da mesa pelejada de uma gente do meu Pilar da pilantragem na responsabilidade social. É carnaval e as caras são as mesmas e lá vem frevo na agonia social, Cabeça de bebê e Cara de Jaca.

Calado aos calos apilado do Pilar

Paz na Terra aos Bichos Políticos de Boa Vontade...
O Cordeiro do Pilar que pague o Pecado Terra Nova.

Vai a Paz

Padre Bidião...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui