Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
194 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58107 )
Cartas ( 21211)
Contos (12845)
Cordel (10239)
Crônicas (22073)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45253)
Humor (18925)
Infantil (4144)
Infanto Juvenil (3225)
Letras de Música (5503)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138679)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5244)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->SEM CHOQUE DE GERAÇÕES -- 20/04/2007 - 23:25 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
SEM CHOQUE DE GERAÇÕES
(Por Germano Correia da Silva)


Zezinho dava a entender que acabara de chegar da escola. Não trazia o semblante meio carrancudo, o que normalmente o fazia quando ia visitar o seu avô e queria escapar de um suposto interrogatório após um dia de prova.
Ele era um garoto muito esperto e naquele dia antes que o seu avô iniciasse aquele interrogatório rotineiro, ele mudou de tática e contra-atacou:
- Vovô, no seu tempo já existia a avaliação por meio de provas?
- Claro que sim, Zezinho; essa forma de avaliação escolar é bastante antiga.
Sem dar espaço para um provável questionamento do seu avô, continuou a perguntar:
- No seu tempo, o senhor foi uma criança traquinas?
- Eu acho que sim, meu neto. A maioria das crianças da minha época o era.
- Vovô, naquele tempo, que tipo de aluno tirava as melhores notas?
E o avô, sem entender bem qual era a intenção do seu neto, respondeu sem pestanejar:
- Eram os alunos que se dedicavam aos estudos com bastante seriedade.
- E o senhor era um desses alunos?
E o avô respondeu:
- Decididamente, não. Eu não tinha tempo para estudar e nem para freqüentar as aulas regularmente.
- E o que o senhor fazia nos dias que não freqüentava as aulas?
Sem muita chance para pensar, o avô respondeu:
- Eu geralmente ia prosear com alguém da minha família. Ia visitar meus primos, meus tios, meus avós, etc.
Zezinho, com a consciência meio pesada, por estar gazeando já há bastante tempo, apesar da marcação cerrada do seu avô, um pouco mais aliviado, murmurou:
- Como o senhor pode ver, o tempo passa, as gerações passam e parece que nada muda neste mundo...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 16Exibido 885 vezesFale com o autor