Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
233 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58168 )
Cartas ( 21211)
Contos (12863)
Cordel (10239)
Crônicas (22097)
Discursos (3147)
Ensaios - (9230)
Erótico (13453)
Frases (45315)
Humor (18942)
Infantil (4167)
Infanto Juvenil (3240)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138728)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5256)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->SÓ DENTRO DAS QUATRO LINHAS -- 06/04/2007 - 22:37 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

SÓ DENTRO DAS QUATRO LINHAS

 

O último jogo daquele campeonato tumultuado estava quase terminando e a torcida do time da casa já se preparava para comemorar mais um título regional. E aquele árbitro, a despeito do comportamento de outros árbitros da região, era muito “honesto” e decidiu que não era necessário acrescentar um minuto sequer no final daquele segundo tempo de jogo e terminou a partida.

Por incrível que pareça, o juiz que arbitrava aquele jogo era uma dessas criaturas apaziguadoras, incapaz de se meter em encrencas, tampouco em situações delicadas. Era um verdadeiro “juiz conciliador” e procurava resolver todos os problemas e inconsistências esportivas de sua alçada usando o bom senso e por isso era muito admirado por todos os integrantes da federação de futebol de seu estado.

Devido ao seu comportamento ordeiro, à sua sutileza, perspicácia e imparcialidade na resolução das questões que iam surgindo no seu dia a dia profissional, dentro e fora dos campos de futebol, algumas pessoas já o tratavam pela alcunha de “juiz de paz”. Na verdade, a maioria das pessoas de sua comunidade já o tinha nessa conta, mas longe de confundi-lo com aquela “antiga autoridade incumbida de conciliar partes desavindas, processar e julgar cobranças de pouco valor, e praticar atos civis ou criminais de sua alçada, inclusive a realização de casamentos”.

Ele era realmente uma figura exemplar, um verdadeiro “expert” em termos de conhecimento das normas inerentes à sua atuação esportiva, tornando-se, assim, um cidadão bastante conceituado nos bastidores socioesportivos de sua região.

Diz um velho ditado que "o hábito faz o monge" e, noutras situações, a fama ascende e derruba as pessoas que não conseguem administrá-la com humildade e honestidade. Mas esse não era o caso desse profissional do mundo esportivo, que além de ter ficado conhecido pela alcunha de “juiz de paz”, conseguiu fazer com que a sua atuação comunitária se tornasse bem ativa. E de tanto administrar bem a sua popularidade junto à comunidade onde vivia, até quiseram “escalá-lo” para celebrar casamento civil, como se “juiz de paz” o fosse. Nem é preciso dizer que ele ficou bastante surpreso com aquele convite inusitado, recusando-o, de pronto, com a seguinte argumentação:

- Até que eu poderia fazer esse papel do verdadeiro “juiz de paz” para ajudar a minha comunidade, mas eu não posso confundir as coisas. A minha missão, enquanto “juiz de paz”, no futebol, é orientar os jogadores como eles devem realizar suas jogadas, de forma limpa, assim como eles devem fazer para evitar o cometimento de faltas dentro do campo de jogo (dentro das quatro linhas). E para atuar como “juiz de paz” comunitário eu terei de orientar casais na “fiel" realização de suas jogadas, bem como eles devem agir para evitar o cometimento de “faltas desleais" dentro e/ou fora do campo de jogo (dentro das quatro paredes) de uma convivência a dois... essa é uma missão meio indigesta para um “juiz de paz esportivo".

- Pelo amor de Deus, me deixem fora dessa escalação! – suplicou.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 2820 vezesFale com o autor