Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57047 )
Cartas ( 21170)
Contos (12612)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43641)
Humor (18455)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2688)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138235)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4852)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->OS ELOS ACHADOS -- 14/06/2003 - 16:23 (ANTICRISTO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

“Onde foram encontrados os números 2 5 7 e 10, o mais lógico é deduzir que 1, 3, 4, 6, 8 e 9 também existiram, ainda que ele nunca sejam encontrados.” (João de Freitas, “Grande Darwin!Quem Poderá Contesta-lo?”).



Algumas obras antigas falam de lacunas evolutivas para negar a evolução, e tais argumentos continuam sendo citados por autores atuais, mas talvez os próprios autores daquelas obras antigas não tivessem coragem de utilizá-los hoje. Vejam o que se disse em 1974:



"A despeito da brilhante promessa de que a Paleontologia proporciona meios de se "ver" a evolução, ela tem apresentado algumas desagradáveis dificuldades para os evolucionistas, a mais notória das quais é a presença de lacunas no registro fóssil. A evolução requer formas intermediárias entre as espécies, e a Paleontologia não as proporciona." (D. B. Kitts, "Paleontology and Evolutionary Theory", Evolution, [28] 1974, p.466)



De lá para cá, muito foi descoberto. Não é uma metamorfose quadro a quadro, mas várias formas intermediárias então não existentes entraram para a escala evolutiva nos últimos anos, três desses exemplares do ano 2000 para cá:



3000000 de anos - LUCY: “Um dos fósseis humanos mais completos e famosos do mundo é de "Lucy", uma mulher que viveu há cerca de três milhões de anos na Etiópia, região leste do continente africano. Ela tinha um metro de altura, menor do que a altura atual dos humanos. Seu cérebro era subdesenvolvido, quase do tamanho do de um chimpanzé, porém, a forma de sua bacia comprova a postura ereta.” (Charles Darwin, Artigo publicado no jornal Brasil Sekyo, Sábado, 4 de novembro de 2000. Edição No. 1.578, Caderno Cultura Soka, C4 - http://www.motoki.hpg.ig.com.br/Cs/Cs2001/CS01_03.html).”



6.000.000 de anos - O HOMEM DE TUMAI: “Na verdade, um verdadeiro tesouro: um crânio, que apresenta a parte frontal achatada com fortes sinais de uma sobrancelha sobre a cavidade dos olhos, o que evidenciaria para os cientistas as suas características humanas, iguais a dos fósseis já descobertos de apenas 1,7 milhão de anos. Mas, a parte traseira já tem todas as características de um crânio de um chimpanzé. E isto tudo está deixando os cientistas fascinados, pois o crânio tem, na verdade, 6 ou 7 milhões de anos.”

(http://www.rnw.nl/parceria/html/ci020712tomaicranio.html).



160.000 anos – O MAIS RECENTE ELO: ”Um grupo internacional de cientistas desenterrou na Etiópia fósseis de 160 mil anos, que estão sendo considerados os mais antigos representantes do homem moderno. Para os cientistas, os fósseis de dois adultos e de uma criança são o elo que faltava para explicar a evolução humana. Eles teriam vivido num período entre os hominídeos africanos, que surgiram três milhões de anos atrás, e os primeiros homens modernos. A descoberta fortalece a teoria de que o homem surgiu e evoluiu na África, antes de se espalhar pelo planeta”. (Jornal Nacional, 11/06/2003).



Não podemos ter certeza de que um dia tenhamos todos os exemplares evolutivos do Homem de Tumai até o atual, porque as condições para preservação de um fóssil não são abundantes, podendo não ter restado vestígios de todas as formas.



“A preservação de um fóssil depende da ocorrência de uma série de eventos. Normalmente, organismos mortos são prontamente atacados por vários tipos de seres vivos, entre eles bactérias e fungos que efetuam a decomposição da matéria orgânica. Em alguns casos, porém, a preservação de restos pode ocorrer. Se o animal morrer em leitos de água, a correnteza carrega sedimentos que podem cobri-lo, dificultando o ataque de outros organismos que poderiam destruí-lo, favorecendo, assim, a sua preservação. Do mesmo modo, substâncias minerais trazidas pela água impregnam os ossos, o que ajuda a conservação da sua forma. Esses processos ocorrem comumente em oceanos e mares rasos, duas fontes notáveis de fósseis. A erupção de um vulcão pode levar à fossilização ao soterrar com cinza os animais e vegetais que viviam nas proximidades. Protegidos do ar e de outros animais, esses organismos soterrados acabam sendo preservados. (Armênio Uzunian, Dan Edésio Pinseta, Sezar Sazón, A Evolução Biológica).



Com a informação acima, é fácil entender que algumas espécies intermediárias podem estar irremediavelmente pedidas. O que reforça a nossa posição em favor da evolução é a existência de vários intermediários entre o Homem de Tumai e o atual, com as diferenças diretamente proporcionais ao tempo. Se cerca de seis milhões de anos existiu um ser com características simiescas e humanas; três milhões de anos houve um ser bem mais aproximado do humano do que aquele de seis milhões de anos; pouco mais de um milhão de anos houve um ainda mais parecido e, cento e sessenta mil anos, outro mais próximo; ainda que não sejam encontrados outros entre esses, o fato de não ser encontrado um parecido conosco com idade de um milhão, ou cinco ou seis milhões de anos torna muito evidente que essa evolução é um fato.



E, finalmente, lançando mais luz sobre o caso, está aí o projeto genoma:



De acordo com o projeto genoma, a evolução não é mais uma teoria. Através do estudo do DNA, a molécula nas células de todos os seres vivos que armazena o código hereditário, consegue-se mensurar o grau de parentesco entre as espécies.

(http://www.consciesp.org.br/adao_e_eva_versus_charles_darwin.htm)



“Para a ciência atual, a Teoria da Evolução é um consenso. Diante das evidências, não há como não aceitar, em todo ou em parte, a teoria de Darwin (que posteriormente foi modificada em muitos aspectos pelo próprio Darwin). No entanto, os detalhes sobre a causa e o processo da evolução ainda estão em discussão.” (Charles Darwin, art. citado acima).



O que ainda não está claro para os cientistas é uma explicação detalhada do processo evolutivo. O fato em si já não é mais discutido, a não ser para alguns estudiosos que, por influência religiosa, procuram fazer dos pormenores ainda desconhecidos ferramenta para destruição do que já é consenso no meio científico neutro. Os elos encontrados já são suficientes não duvidarmos de terem existido os outros ainda desconhecidos.



Ver mais CIÊNCIA



ÍNDICE SISTEMÁTICO

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui