Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
204 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59112 )

Cartas ( 21236)

Contos (13108)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46498)

Humor (19274)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138219)

Redação (3053)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5520)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->DUERME LA NEGRA -- 05/10/2009 - 22:52 (Lílian Maial) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. DUERME LA NEGRA
Lílian Maial


Fui "cobrada" por não ter escrito nada ontem, sobre o falecimento de Mercedes Sosa. Este é, realmente, um ano de grandes perdas para o mundo das artes, em geral, notadamente a música. Neste Domingo - 04/10/09 - se fué Mercedes Sosa, uma das maiores expressões da música latino-americana.

Sosa não chegou a ser ícone da minha juventude, pela minha pouca idade, na ocasião em que ela foi emblema de luta pela PAZ e LIBERDADE dos "sem-voz", com seu marcante timbre de voz de contralto.
Seu repertório folclórico e de conteúdo político e social fizeram dela uma figura respeitada e admirada, notadamente pela geração que, hoje, conta com cerca de 60 anos.

Aqui, no Brasil, ela começou a ficar conhecida a partir de 1976, após um dueto com Milton Nascimento, com a belíssima interpretação de "Volver a los 17" (aquela do famoso refrão "como el musguito en la piedra, hay si, si, si..."), da compositora chilena Violeta Parra, e que se transformou num dos maiores destaques do álbum "Geraes", do Mílton.
Além dele, outros cantores brasileiros gravaram com a cantora, como: Fagner, Chico Buarque e Caetano Veloso.

Consta que Mercedes Sosa passou a integrar a esquerda a partir dos anos 60, e que teria se exilado na Europa, perseguida pela ditadura militar argentina, em 1979 (Paris e Madrid).

Independentemente das posições políticas, Mercedes merece ser ouvida por sua grande voz e seu repertório, sempre valorizando a música latino-americana.

Abaixo, transcrevo o poema de um amigo, grande admirador da artista:


Duerme La Negra

Enquanto o gás nos fazia chorar
Mercedes Sosa cantava
Me gustan los estudiantes.

Ela que trazia a Latino-américa
no semblante & na voz.

Enlaçava nosotros
em Los Hermanos
dando Gracias a la vida.

Se fué para nuevos cielos
assim como Alfonsina.

Entonces ahora
en silêncio
Duerme Negrita...

Ricardo Mainieri
____________________________________________________

"La Negra" foi um dos mais famosos apelidos
de Mercedes Sosa, em virtude de sua cabeleira negra.


**************

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui