Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cartas-->UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL -- 24/05/2005 - 23:38 (ADÃO JORGE DOS SANTOS) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Este texto foi selecionado no site www.anjosdeprata.com.br, que propicia o envio de textos com temas exclusivos.

Antes de perder meu emprego, eu era um homem feliz. Minha vida era um mar de rosas. Eu tinha casa na praia, dois apartamentos na cidade, carro importado, e um emprego fabuloso que me permitia manter esta vida de luxo e extravagancia. Acreditava que tudo seria para sempre, que jamais seria demitido, que só iria sair quando me aposentasse. Eu tinha luz própria.

Nesta época menosprezava meus amigos que não tinham o mesmo padrão que eu tinha, me sentia acima de tudo e de todos. Freqüentava os restaurantes e clubes da alta sociedade, possuía vários cartões de credito que usava desmedidamente.

Um dia, sem mais nem menos, me demitiram. Não deram qualquer tipo de explicação, apenas disseram que não era mais necessário. Naquele momento senti meu mundo desmoronar. Existem coisas ruins que quando acontecem na vida da gente, nunca vem sozinhas. A primeira coisa desagradável que tive que fazer foi explicar o motivo da minha demissão para minha família e amigos. Quando entrei em casa não foi necessário dizer nada. Estava estampado em meus olhos que alguma coisa havia acontecido. Choramos juntos e confiamos que cedo ou tarde arrumaria outro trabalho. Resolvi adiar a visita aos amigos para contar da tragédia que se abatera em minha vida. Eu não podia chegar e contar da minha demissão como se fosse uma conversa normal.

Meio ano depois ainda continuava desempregado. Já não tinha o mesmo animo de antes, vivia a margem da sociedade, andava pelos cantos me escondendo das pessoas. Já não tinha dignidade, nem força para viver, era um zero à esquerda. Então surgiu uma luz no fim do túnel. Não era uma luz intensa, era uma meia-luz, um pedaço de esperança que agarrei com todas as forças que ainda me restavam. Hoje esta meia-luz é que me da forças para seguir em frente, sei que um dia ela vai ficar completa, no momento é nela que me apego para sobrevier.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui