Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
257 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57930 )
Cartas ( 21204)
Contos (12788)
Cordel (10234)
Crônicas (22050)
Discursos (3145)
Ensaios - (9188)
Erótico (13453)
Frases (45014)
Humor (18870)
Infantil (4086)
Infanto Juvenil (3112)
Letras de Música (5496)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138514)
Redação (2983)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5182)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->O COMPLEXO UNIVERSO IMAGINÁRIO DO HOMEM - ORIGEM DA RELIGIÃO -- 24/04/2001 - 11:57 (JOÃO DE FREITAS) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Tudo começou com microorganismos, mas a maravilhosa evolução biológica aperfeiçoou tanto os seres vivos, até chegar à complexidade do ser humano, que criou o mais complexo mundo imaginário, complicando sobremodo o mundo real. As primeiras almas viventes, unicelulares, não pararam em sua simplicidade. Progressivamente, pluricelulares vinha à existência, como derivados daquelas vidas primitivas. Em milhões de anos, uns se tornaram grandes e fortes; outros ficaram extremamente ágeis, para se livrarem daqueles; outros sintetizaram venenos poderosos para fazer face aos ataques dos inimigos; muitos criaram asas para se desprenderem do solo e ficarem longe do alcance de seus predadores; espécies e mais espécies desenvolveram seus mais variados meios de sobrevivência. Um dos animais, posto não privilegiado com o desenvolvimento de força e tamanho, nem asas, nem veneno, sobreviveu a todas as ameaças e destacou-se entre todos os outros pelo aperfeiçoamento da comunicação. Da onomatopéia (formação de palavras por imitação dos sons das coisas), chegou ao mais aprimorado código sonoro e daí ao gráfico, o que permitiu a transmissão de experiências e o avanço científico que nos rodeia e se desenvolve cada vez mais vertiginosamente. Artificialmente, graças à capacidade de inventar e de acumular experiência, o homem superou em muito os olhos da águia, enxergando a anos-luz; conseguiu substituto eficiente para as asas das aves; criou armas muito superiores aos dentes dos felinos, aos chifres dos bovinos e ao veneno das serpentes. A enorme criatividade humana, em um mundo tão misterioso, cheio de fenômenos incompreensíveis, buscando explicações para tudo isso, produziu um universo imaginário riquíssimo em personagens sobrenaturais. Em sua imaginação, o animal inteligente povoou a Terra e os céus de deuses, anjos, demônios, duendes, almas imateriais (fruto do sonho), com um sem-número de invisíveis entidades sobre-humanas, dominadoras dos destinos dos homens. O homem do passado (e mesmo alguns de hoje) ouviu as vozes dos deuses no trovão e nos ecos de seus próprios gritos; sentiu o poder maléfico dos demônios nas pessoas acometidas de distúrbios mentais; agradeceu as bençãos divinas, expressas na chuva, no crescimento das plantas e outros frutos da natureza, com sacrifícios de animais e - que barbaridade!!! - até de seus semelhantes. Em todos os tempos, tudo para que o homem não encontra uma explicação plausível tende a ser atribuído a entidades sobrenaturais. A inteligência, para possibilitar a convivência, exigiu a criação de normas para conter os nossos impulsos egoístas. Religião, Moral, Direito, Etiqueta, tudo foi criado para limitar a completa realização da nossa vontade e até impedir que sejamos verdadeiramente nós mesmos; mas com razão: sem nenhuma dessas regras de conduta, o mundo certamente estaria pior do que se acha hoje. A liberdade sem limites não funciona. Para ironia do homem, a religião, que deve ter sido o primeiro código de conduta humana, é hoje a maior causa de guerras, como deve ter sido no passado também. A maioria das mortíferas batalhas dos nossos dias são entre muçulmanos e cristãos; porém não é só: cristãos contra cristãos se envolvem vorazmente, desta forma tão anticristã (Cristo pregava a paz e a tolerância). Haja vista o duradouro embate catolicismo-protestantismo na Irlanda do Norte. Os mais tenebrosos, mais caóticos, mais injustos, mais hediondos períodos da nossa história foram dominados por poderes político-religiosos. Como nossas democracias, além de poderes legislativos, executivos, judiciários, até outros, têm ministro da guerra, ministro da saúde, ministro da agricultura, ministro da cultura, ministro dos esportes, ministro dos transportes, ministros e mais ministros, de se perder a conta, a teocracia do homem primitivo criou uma infinidade de deuses: da guerra, da chuva, do fogo, do mar, dos rios, da fertilidade, do amor, deuses benignos e deuses malignos, havendo divindades para todos os fenômenos da natureza. O próprio homem, como uma alternativa contra a morte, passou a contar com ressurreição (céu para os bons e inferno para os maus) e reencarnação (novas vidas para aperfeiçoamento espiritual, etc.) Como qualquer outro ramo intelectual, os mandamentos divinos se diversificaram como as línguas dos homens. Enquanto no antigo Egito relações sexuais compunham ritos sagrados, o sexo para os hebreus estava ligado a uma série de pecados, que podiam conduzir à pena de morte. E a abominação ao sexo se arraigou de tal modo também no Cristianismo, que chegou ao celibato de ministros religiosos. Não se aboliu por completo o ato sexual, por ser o único meio de perpetuação da espécie. Nem só por isso, entretanto: a humanidade não se submeteria jamais a tal grau de santificação, abstendo-se daquilo que é a coisa mais desejável na vida de quase todos. A eterna luta entre o bem e o mal, dois valores não tão distinto (algo que é bom para uns pode ser ruim para outros), tem-se apropriado igualitariamente de todos os desenvolvimentos científicos ao longo dos séculos e milênios, sendo assim possível utilizar-se de tudo que se inventa para o bem ou para o mal. O vasto politeísmo criado pela sociedade primeva se evoluiu para a redução a apenas duas divindades entre os antigos persas: Masda, o deus do bem, e Arimã, o deus do mal. Todavia, a centralização divina não parou por aí. Para os hebreu, já não ficou lugar para dois deuses: Jeová é o único Deus, criador de todas as coisas, e os outros são frutos da criação humana. Para agente do mal, só ficou o cargo de anjo caído, ocupado pelo Diabo, anjo que se rebelou contra o céu, levando consigo uma legião de outros anjos, os demônios, que dominavam as pessoas sofredoras de doenças mentais graves, os loucos, que eram chamados de endemoninhados. E, como o homem duvida e testa tudo que vê ou ouve, surgiu ainda o ateísmo, ideologia que exclui a existência de qualquer divindade. Hoje, embora predomine o ateísmo no mundo científico, há cientistas que crêem na existência de um criador de todas as coisas, sem, no entanto, se poder provar cientificamente a existência ou a inexistência de Deus. O fator a reforçar o ateísmos atualmente são as provas científicas dos enganos contidos em muitas afirmações tidas como de procedência divina. Mas a religião, resultado das tentativas de explicação do inexplicável, não se extingue facilmente.Veja também: O PODER DO PENSAMENTO PRIMITIVOVer mais RELIGIÃO

Se você quiser receber um aviso cada vez que este autor publicar novo texto, basta clicar AQUI e enviar.Não use esse link que aparece acima do texto e depois do link do currículo;Porque esse serviço agora está funcionando só para assinantes.Utilizando o meu, eu lhe enviarei pessoalmente o aviso.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui