Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
171 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58697 )
Cartas ( 21227)
Contos (13016)
Cordel (10258)
Crônicas (22153)
Discursos (3160)
Ensaios - (9336)
Erótico (13467)
Frases (45898)
Humor (19093)
Infantil (4325)
Infanto Juvenil (3499)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137808)
Redação (3033)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1942)
Textos Religiosos/Sermões (5395)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A Casa Campos -- 30/12/2020 - 20:24 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

 

https://www.recantodasletras.com.br/contosinsolitos/7147997

 
Texto
 

A Casa Campos



A fama da Casa Campos corria léguas e léguas, sem tréguas. Situada no miolo urbano de Pitangui vendia de quase tudo no ramo de tecidos, guarnições e muito mais. Nos meus cinco ou seis anos, vindo do Brumado na cola de papai, maravilhei-me com pelotas de chumbo de vários calibres exibidas em seu balcão, terror de perdiz e de perdigão...

O dono, Sêo Inácio Campos, por aquela época já ia se afastando das lides, confiadas crescentemente à filharada que fazia e satisfazia as vontades da enorme clientela. Darcy, competente a aliciante vendedor era o gerente, capitaneando irmãs, cunhados e agregados no atendimento ao público e a fornecedores. Geraldo, embora figura simpática e bonachona, além de sempre bem-vestido, e frequentador contumaz de bailes da cidade, mantinha-se a certa distância do burburinho, passando a impressão de mero folgazão. Tinha seus problemas, conectando pouco lucro e prejuízo...E tinha a cabeça nas musas da cidade.

Numa determinada ocasião, um fazendeiro frequentador contumaz da loja, que entabulava com Darcy uma compra vultosa de tecidos e acabamentos para o enxoval da filha casadoira, teve o papo interrompido por uma chamada telefônica de certa urgência. Atento, como era seu costume, o pai Inácio, incontinenti, tomou-lhe o lugar para o completo deleite do freguês...

Ao cabo da operação, exitosa e de comum agrado, o fazendeiro confidenciou ao venerável Dom Inácio:

 - Ô Sô Inácio, esse seu moço Darcy é competente demais, além de tratável e gente boa, boa prosa e de expediente...cê podia dar ele pra mim pra ajudar lá na fazenda por uns tempos...tanta coisa pra fazer, e com o expediente dele então...

 Ao que Inácio respondeu, sem pestanejar:

 - Sêo Gumercindo, do Darcy eu não posso dispor, ele é meu braço direito aqui..., mas eu posso lhe dar o Geraldo...

E Gumercindo com toda a sua pureza de homem do campo obtempera:

 - Ah, não Sêo Inácio, bobo por bobo, a roça lá tá cheia...
Comentários

Marcos de Souza  - 05/01/2021

Fique com todo este site falido só pra você, meu bobo. Adeus.

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 19 vezesFale com o autor