Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
288 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46534)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3732)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->CONSCIÊNCIA VENAL -- 06/04/2009 - 18:41 (Umbelina Linhares Pimenta Frota Bastos) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. CONSCIÊNCIA VENAL



Conheço uma mercadoria ideal, que nunca perde o seu valor, que sempre tem cotação nas praças e no mercado de todo o mundo.
Ela nunca se esgota, por maior que seja a procura em tempo de paz, de guerra e de carnaval.
Vende-se e compra-se essa mercadoria a preço de ouro. Essa mercadoria é a consciência. Vende-se no varejo, no atacado, a vista, a prazo, em consignação, a prestação, até com letra promissória.
Sabe amigo! Aluga-se também, até por empréstimo! Torra-se em liquidação periodicamente a preço reduzido, vende-se até em praça pública.
É mercadoria para presente, inteiramente de graça, por amizade ou convenção social.
Ela é sempre venal, a consciência humana!... Vende-se por dez reais hoje, amanhã por mil reais, depois por um milhão, conforme o comprador.
Na verdade o ser humano que vende sua consciência; não passa de um escroque e um malfeitor, pois se a vende, como a poderia ter?
Tudo não passa de um logro, aquele que vende a sua consciência está iludindo o comprador, fingindo vender o que nunca teve.
Crise social, religiosa, política, inventaram mentiras sem conta para fugir da verdade. Funcionários, operários, deputados, presidentes; olha quem dá mais!...
Depois da milésima venda a consciência gasta, cansada, exausta não resiste mais.
Enjoada, enojada de si mesma, nauseada pelo miasma fétido e em desespero precipita-se no abismo...
A consciência venal!...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui